Há uma ameaça real à segurança hídrica do Rio, diz UFRJ

Yahoo Notícias
Água ofertada pela Cedae no Rio. (Foto: Reprodução/Twitter)
Água ofertada pela Cedae no Rio. (Foto: Reprodução/Twitter)

A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) afirmou, nesta quarta-feira (15), haver uma ameaça real à segurança hídrica da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Uma nota técnica elaborada por especialistas da universidade diz que a presença de geosmina, composto orgânico que foi detectado, pode indicar problemas na água.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A universidade também alerta que existem limites máximos aceitáveis de cor e de turbidez para que a água possa ser considerada potável. A UFRJ registra também que tende a aumentar "a ocorrência de eventos de desconformidade em relação ao padrão de qualidade da água para consumo humano".

Leia também

Isso porque, à exceção de Itaboraí, São Gonçalo e Niterói, abastecidos pelo sistema Imunana-Laranjal, os demais municípios do Rio são atendidos em sua maior parte pelo Guandu, totalizando 9 milhões de habitantes. Com isso, o estado é refém da oferta de água do rio Paraíba do Sul e da qualidade ambiental e sanitária dessa bacia.

Ainda, segundo a nota, "a atual crise que vive o Estado é decorrente da insuficiência do sistema de esgotamento sanitário das áreas urbanas". "Como resultado, esgotos sanitários em estado bruto, ou seja, desprovidos de qualquer tratamento, são drenados pelos rios dos Poços, Queimados e Ipiranga, todos afluentes do rio Guandu, a menos de 50 m da barragem principal e da estrutura de captação de água do sistema produtor", afirma.

O estudo destaca que, "face ao incremento dessa contribuição - dado o evidente crescimento populacional e ocupação urbana desordenada -, a ocorrência de eventos de desconformidade em relação ao padrão de qualidade da água para consumo humano como este tende a aumentar".

O texto traz um alerta ao afirmar que a geosmina, composto orgânico cujos traços foram detectados na água, não é tóxica, apesar de conferir odor e sabor em intensidade. Mas ela pode indicar problemas na qualidade da água bruta usada para o abastecimento.

“Não há necessariamente risco sanitário associado, exclusivamente, ao sabor e ao odor da água. No entanto, a geosmina pode indicar a presença de cianobactérias em grande quantidade na água captada para o tratamento. Esses microrganismos podem produzir algumas toxinas muito potentes (cianotóxicas), que precisam ser removidas durante o tratamento da água para não comprometer a saúde da população.”

De acordo com o estudo, "há limites máximos aceitáveis dessas toxinas para que a água possa ser considerada potável". A UFRJ ressalta que dados divulgados nesta terça-feira (14) pela Cedae mostram que nas amostras analisadas esses limites estão respeitados.

A nota técnica informa ainda que "a presença de geosmina ou de qualquer outro composto produzido por cianobactérias não promove a mudança de cor ou turbidez na água", como constatado pela população fluminense. Segundo a nota, essas alterações podem ser causadas pela existência de outras substâncias ou de material particulado em suspensão na água, muitas vezes decorrente da intermitência da água na rede de distribuição. Há também limites máximos aceitáveis para esses dois parâmetros (cor e turbidez) para que a água possa ser considerada potável.

da FolhaPress

Leia também