GUIA DO PAULISTÃO: Com pés no chão, Corinthians quer mostrar que pode competir para chegar nas finais

Alexandre Guariglia
·3 minuto de leitura


Atual vice-campeão do Paulistão, o Corinthians tem uma nova política para esta temporada 2021. Em busca de redução de custos e menor investimento em contratações, o Timão quer driblar os problemas financeiros e apostar em reforços que voltam de empréstimo e que serão promovidos da base. Nessa reformulação, que acontecerá durante o campeonato, o objetivo é ser um time competitivo e que possa chegar mais uma vez na fase final do torneio.


TABELA

> Veja classificação e simulador do Paulistão-2021 clicando aqui

GALERIA
> Veja jogadores “sumidos” que seu time poderia tentar contratar para 2021

Time-base: Cássio; Fagner, Jemerson, Gil e Fábio Santos; Gabriel e Cantillo (Ramiro); Gustavo Mosquito, Cazares e Mateus Vital (Otero); Léo Natel (Jô). Técnico: Vagner Mancini.

Vaivém do Timão
Quem chega: Ninguém
Quem sai: Michel Macedo
Quem pode chegar: Janderson (volta do Atlético-GO), Fessin (volta do Bahia), Marquinhos (volta do Sport)
Quem pode sair: Éderson, Jonathan Cafú, Everaldo, Matheus Davó, Marllon e Walter
Necessidade de reforços: Atacantes
Retornos de empréstimo: João Victor (Atlético-GO), Caíque França (Oeste), André Luis (Daejeon Citizen, da Coreia do Sul), Madson (Oeste)

Os primeiros jogos:
28/2 - Red Bull Bragantino x Corinthians - Nabi Abi Chedid
3/3 - Corinthians x Palmeiras - Neo Química Arena
7/3 - Corinthians x Ponte Preta - Neo Química Arena
14/3 - São Caetano x Corinthians - Anacleto Campanella
22/3 - Mirassol x Corinthians - José Maria de Campos Maia

Opinião do setorista - Alexandre Guariglia

O Corinthians nem bem terminou a temporada 2020 e já entrará na de 2021 carregando o peso de um ano esportivo para lá de melancólico, mas começará disputando uma competição na qual tem estado com frequência no patamar mais alto. São quatro finais consecutivas, com três títulos e um vice. Acontece que as coisas tem ficado cada vez piores e se na edição anterior a chegada nas finais foi um feito improvável, na atual isso tende a ser ainda mais difícil.

Assumidamente um clube com problemas financeiros e com objetivo de focar na contenção de gastos, o Timão terá um desafio grande ao lidar com esse momento difícil e ao mesmo tempo apresentar resultados dentro de campo. A tendência é que os reforços sejam escassos (ou nenhum) para este início de Paulistão e a saída será reformular o elenco, aproveitar aqueles que voltam de empréstimo e pinçar os jovens valores das categorias de base do clube.

A questão é que esse mesmo elenco apresentou muita limitação na temporada passada, sendo eliminado na fase preliminar da Copa Libertadores, nas oitavas de final da Copa do Brasil e fazendo uma campanha decepcionante no Brasileirão, que só não foi pior, pois Vagner Mancini tirou o time da briga contra o rebaixamento e levou a um sonho improvável de vaga na Libertadores 2021.

Essa vaga não veio e no fundo isso pode ser um trunfo para o Corinthians no Paulistão, já que seus três rivais estarão focados na competição continental e devem tratar o Campeonato Paulista como um laboratório ou mesmo com uma competição de segundo plano. Sendo assim, o Timão de Mancini pode aproveitar para dar alguns passos à frente no trabalho do treinador que já está em andamento e mostrou virtudes quando não oscilou na reta final de 2020.

No entanto, se pensarmos na epopeia que foi se classificar para a segunda fase no Paulistão do ano passado, com reforços e com potencial maior, a tendência é que seja ainda mais difícil em 2021 e esse é o maior desafio corintiano, mostrar que pode competir e chegar no mata-mata mesmo com o elenco em reformulação e, mais uma vez, sem estar entre os favoritos para o título.