GSP garante que continua no 'sindicato dos lutadores' mesmo voltando ao UFC

Georges St-Pierre enfrentará Michael Bisping pelo cinturão dos pesos-médios - Diego Ribas

Em novembro passado, um grupo de lutadores liderados por Georges St-Pierre e Tim Kennedy anunciaram oficialmente a criação da Associação de Atletas de MMA (MMAAA, na sigla em inglês), que fez duras críticas ao UFC e exigiu a maior participação nos lucros da empresa, além de melhores condições de trabalho. Agora, com o retorno de GSP ao Ultimate, engana-se quem pensa que o ex-campeão dos meio-médios (77 kg) desistirá dos seus ideais à frente da entidade. Pelo contrário, o canadense fez questão de deixar claro que não abandonará os atletas que, em sua análise, não são recompensados como deveriam pela organização.

Em entrevista ao programa ‘The MMA Hour’ na última segunda-feira (6), St-Pierre ressaltou que não é “covarde” e garantiu que não abandonará a associação agora que entrou em acordo para retornar ao UFC. Até porque, como apontou o canadense, outros atletas também lutam na companhia e integram o novo sindicato.

“Muitos caras estão lutando e ainda fazem parte da associação. Uma coisa que eu não sou é covarde. E não é porque eu estou de volta ao UFC que eu vou falhar e jogar fora todos aqueles que tiveram a coragem de se posicionar como eu. Não sou assim. O que eu disse foi a verdade, o que eu acredito. Acho que alguns lutadores não recebem uma fatia justa do bolo. E eu continuo pensando isso”, declarou, antes de sugerir que, de acordo com análise própria, a MMAAA pode trazer benefícios para o Ultimate a longo prazo.

“Eu não enxergava a associação ligada ao fato de eu não voltar. Eu vejo a associação como algo que poderia dar certo com o UFC para o benefício dos lutadores. E eu ainda acredito nisso. Não acho que seja um mau negócio para o UFC. A longo prazo, seria uma coisa boa. Penso que os lutadores precisam elevar seus status”, afirmou.

Considerado o maior meio-médio da história do UFC, GSP retornará ao octógono depois de mais de três anos sem lutar para encarar o inglês Michael Bisping, em duelo que vale o cinturão dos pesos-médios (84 kg). Até o momento, ainda não foi anunciado local ou data para o duelo entre St-Pierre e ‘The Count’.

Leia também