Grupo pede auditoria externa e profissionalização do futebol no Flu

Fernanda Teixeira
LANCE!


Um grupo independente de torcedores do Fluminense, o "Sou Tricolor", protocolou no clube, nesta segunda-feira, uma carta-aberta com pedidos de realização de auditoria externa e independente nas contas do clube e a profissionalização do futebol, nos moldes do Flamengo. O delegado federal Marcelo Daemon, fundador do grupo, disse em entrevista ao LANCE!, que a intenção é cobrar uma promessa de campanha do hoje presidente, Mario Bittencourt. Para os integrantes do movimento, a falta de transparência afasta potenciais investidores.

— O presidente, Mario Bittencourt, prometeu uma auditoria externa assim que assumisse o comando do clube para avaliar erros das gestões passadas. Até agora, não vimos nenhuma iniciativa neste sentido. Quando há transparência, os investidores são atraídos. A ideia, conseguir um patrocínio forte para o clube. Hoje, a impressão é que ninguém quer investir no Fluminense por conta desta desorganização que existe nas contas do clube — esclareceu Daemon.

O grupo "Sou Tricolor", fundado em 2016, nasceu da união de amigos de longa data que tinham em comum o amor ao Fluminense. Hoje, reúne cerca de 50 integrantes, sócios de diversas categorias e sem qualquer ligação com grupos políticos do clube, segundo o fundador.

Na carta, também assinada pelo guia de turismo e presidente do grupo Alex Campos, é feita uma sugestão para que o o Fluminense adote o modelo do Flamengo, classificado como "o mais avançado no quesito profissionalismo", após o resultado da auditoria nas contas dos últimos 30 anos.






Carta
Carta
Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Carta foi entregue nesta segunda-feira (Foto: Reprodução)

— Sabemos que o modelo do Flamengo foi bem sucedido porque partiu de uma auditoria que apurou erros e sanou as contas do clube. Nós entendemos que é imperativo entender o tamanho do prejuízo que o clube tem hoje. A partir daí, tomar ações que possam gerar credibilidade e o retorno da confiança na marca Fluminense, além da formação de um time à altura das tradições históricas do clube — disse Marcelo Daemon.

A carta foi protocolada junto ao setor jurídico do Fluminense, nesta segunda-feira. O grupo vai aguardar uma resposta da diretoria pelo prazo de 30 dias. Caso não tenham retorno positivo, pretendem acionar os órgãos internos do clube que têm a incumbência de cobrar do presidente, conforme as regras do estatuto. Quanto ao pagamento da auditoria, caso o clube não tenha como arcar com os custos, o "Sou Tricolor" informou que pretende organizar uma vaquinha pela internet para arrecadar fundos.

Resposta do Flu

Questionado, o Fluminense enviou resposta do presidente Mário Bittencourt. O mandatário garantiu já ter iniciado um processo interno para contratação de uma empresa de auditoria para o próximo ano.

— Desde que assumimos a gestão do Fluminense estamos internamente debruçados sobre os números do clube e já iniciamos o processo de contratação de uma auditoria externa para 2020. Em paralelo, já estamos implementando as estruturas de Compliance e Governança Corporativa, também para estarem funcionando plenamente no próximo ano — assegurou Bittencourt.


Veja a íntegra da carta-pedido:

"A NECESSIDADE DE UMA AUDITORIA EXTERNA NO FLUMINENSE

Movimento Sou Tricolor

Tudo Pelo Fluminense; Nada do Fluminense.

O futebol como o conhecemos está com os dias contados. A nova ordem do esporte é a profissionalização. Os movimentos que forem feitos agora decidirão quem serão os protagonistas e quem serão os coadjuvantes no futuro. E, também, as peças que serão retiradas do tabuleiro.

Dentro dessa ordem de ideias, entende o grupo político independente Sou Tricolor que, para continuar entre os grandes, o Fluminense precisa se alinhar com o adversário que está mais avançado no quesito profissionalismo, que é o Flamengo. E, a primeira medida para isso, sem dúvida, é uma auditoria externa no clube, abrangendo todos os centros de custo, tanto os administrativos quanto os esportivos, como contratos, fornecedores, verbas, pagamentos etc. Na seara do futebol, seguem algumas perguntas que toda a Nação Tricolor gostaria de ver respondidas: Por que os jogadores da base chegam aos profissionais com seus direitos federativos fatiados? Como foram fechados contratos de patrocínio com empresas sem lastro financeiro? O que levou o Fluminense a ter uma dívida superior a R$ 600 milhões? Qual o valor pago a cada PJ? Quanto cada pasta do Fluminense tem de orçamento e qual o valor gasto com pessoal? Quanto se gastou no projeto Flu-Samorin? Quando ele foi aprovado, quais foram os prognósticos de receitas e despesas com ele?

Essas e outras perguntas só serão respondidas adequadamente, como dissemos, a partir de uma auditoria externa independente, colocando luz sobre a estrutura administrativo-financeira do clube. E somente de posse desses dados os próximos passos (alteração estatutária e profissionalização do marketing do clube) poderão ser dados com firmeza. Uma auditoria externa, por óbvio, não visa a acusar ninguém. Trata-se de medida que objetiva mapear problemas que muitas vezes são mascarados por conta da estrutura de poder do clube em que grupos controlam informações.

Considerando toda a dificuldade em superar obstáculos internos e a necessidade de expertise para mapear um histórico de problemas administrativo-financeiros de mais de 30 anos, pedimos, Sr. Presidente, em nome do compromisso que o senhor assumiu, que seja contratada empresa especializada em auditoria para analisar todos os contratos e balanços do Fluminense nos últimos 30 anos. Somente conhecendo nossos problemas poderemos pensar nas medidas para saná-los.

Esperamos uma resposta formal para esse pedido dentro de prazo razoável.

Contamos com o seu compromisso.

Rio de Janeiro/RJ, 18 de Novembro de 2019.

Grupo político independente Sou Tricolor (Tudo Pelo Fluminense e Nada do Fluminense)

Alex Campos
Presidente

Marcelo Daemon
Fundador"




























Leia também