Grosjean deixa hospital três dias após acidente

·2 minuto de leitura
Carro do piloto francês Romain Grosjean, da equipe Haas, pega fogo após bater contra o muro de proteção no GP do Bahrein

O piloto francês Romain Grosjean, da equipe Haas, deixou o hospital militar do Bahrein na manhã desta quarta-feira, onde se recuperava das queimaduras sofridas no acidente de domingo durante o Grande Prêmio do Bahrein.

"Fisicamente estou bem", disse o piloto à AFP ao deixar o hospital.

"Minha mão esquerda está machucada, minha mão direita está melhor, um tornozelo esquerdo torcido e um joelho esquerdo inchado, mas não é para se preocupar muito. A dor é muito suportável, estou tomando paracetamol", afimou o francês.

Grosjean deixou o hospital "às 10h30 hora local" (04h30 de Brasília), informou a Haas, especificando que ele continuará "um tratamento particular para suas queimaduras nas costas e nas mãos, e permanecerá no Bahrein por enquanto."

“A prioridade é curar minhas mãos para tentar estar no Grande Prêmio de Abu Dhabi (última corrida da temporada, no dia 13 de dezembro), mas também nos 50 ou 55 anos que me restam”, brincou Grosjean, que não tem equipe para a próxima temporada da Fórmula 1.

"Tenho de voltar ao carro para saber onde estou, o que sou capaz de fazer, se ainda quero, se a pressão continua e se não tenho medo", explicou o piloto de 34 anos.

"Eu disse à pessoas próximas: sinto muito, é difícil ouvir isso, mas vocês devem entender que eu preciso", acrescentou Grosjean, especificando, no entanto, que não correrá riscos se sua saúde não permitir que volte a dirigir.

No último domingo, o francês foi vítima de um grave acidente logo após a largada, quando depois de bater em uma barreira de proteção a 220 km / h, seu carro se partiu em dois e pegou fogo.

No próximo final de semana, durante o GP de Sakhir, no mesmo circuito, Grosjean será substituído pelo piloto reserva de Haas, o brasileiro Pietro Fittipaldi.

ole/jr/iga-mcd/lca