GGGG! Gigante guaraní Gustavo Gómez: Grêmio 0 x 1 Palmeiras

Mauro Beting
·2 minuto de leitura

O Grêmio só pensava nisso (e quase que não jogava mais um jogo de qualidade só por isso no BR-20). Passada a conquista da América e a decepção no Mundial, o Palmeiras estafado também só pensava na final da Copa do Brasil.

Renato, desde agosto de 2016 fazendo trabalho excelente na casamata tricolor, optou por Paulo Victor no lugar de Vanderlei (duas vezes vice da Copa do Brasil por Coritiba e Santos contra o Palmeiras). Paulo Miranda foi para a zaga no lugar de Geromel. Do meio pra frente, o melhor Tricolor possível com Maicon e Matheus Henrique suportando Alisson e Pepê pelos lados, e o elegante Jean Pyerre atrás do artilheiro Diego Souza no 4-2-3-1 usual de Renato. Do lado verde, Abel há apenas quatro meses já conquistando a glória eterna na Libertadores, conseguiu escalar um dos Palmeiras menos desfalcados no período. Felipe Melo ganhou o lugar de Danilo e fez dupla pesada porém experiente com Zé Rafael. A ótima surpresa foi o retorno de Wesley desde o início, com Rony pela direita, Veiga por dentro na armação, e o ex-colorado Luiz Adriano no comando de ataque.

Esquemas espelhados, jogo mais marcado do que jogado no primeiro tempo, como muitas partidas no Brasil. Ainda mais as decisivas. Mas desde 23 segundos o visitante foi melhor. O meio-campo paulista, mesmo mais pesado, foi mais eficiente contra um Tricolor pouco criativo. Castigado no escanteio que Veiga bateu e o GG Gustávo Gómez, Gigante Guaraní, cabeceou sem chances para Paulo Vítor.

Só então Alisson resolveu chutar duas perigosas para fora. Para onde Luiz Adriano mandou por cima a última enorme chance do primeiro tempo, depois de belíssima enfiada de Veiga.

O Palmeiras voltou para a segunda etapa com o mesmo apetite. O Grêmio, diferente do último jogo entre eles pelo returno do BR-20 no Allianz Parque, não mudou a história e a postura como havia acontecido naquele 1 a 1. Demorou para responder. E teve sorte para não levar o segundo gol aos 10, quando Rony isolou uma jogada sensacional de Veiga, depois de caneta espetacular em Paulo Miranda.

O Grêmio jogava muito mal e o Palmeiras dominava o clássico até o erro inominável de Luan, que deixou o cotovelo e abriu o supercílio de Diego Souza e foi corretamente expulso, aos 18. Abel teve que sacar Wesley para recompor o sistema defensivo com Alan Empereur, e fechar o meio com Menino no lugar de Veiga que voava. Renato demorou a responder com Churín na frente, e Ferreira pelo lado. Abel apostou em Veron para puxar os contragolpes, depois Mayke e Danilo para ajudar Felipe Melo em grande atuação.

O Grêmio seguiu com poucas ideias. Mas na empurrança quase empatou na pressão descoordenada, que deu em nada contra GGGG e FM na sintonia decisiva.

Gigante resultado paulista, péssima partida gaúcha.