GP de F1 esgota vagas em hotéis de São Paulo, e setor deve registrar a maior ocupação em anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os hotéis da cidade de São Paulo devem registrar neste final de semana sua melhor taxa de ocupação desde o início da pandemia de Covid-19. De acordo com pesquisa feita pela São Paulo Turismo (SPTuris), vinculada à prefeitura da capital, a média de quartos ocupados para o período entre sexta (11) e terça-feira (15) é de 92,6%.

O índice supera até mesmo a melhor marca da hotelaria paulistana em 2019, antes da chegada do novo coronavírus, quando foi contabilizada uma taxa de ocupação de 74,91% em novembro daquele ano.

O presidente da SPTuris, Gustavo Pires, atribui o índice à realização do GP de São Paulo de Fórmula 1. "No ano passado, o resultado da etapa brasileira da Fórmula 1 já havia surpreendido, com impacto econômico de R$ 960 milhões e 9.600 empregos diretos e indiretos [criados]. Para 2022, com a ampliação da capacidade do autódromo e um dia a mais de feriado, certamente será melhor", diz ele.

O pico da ocupação nos hotéis deve ocorrer entre sexta-feira e domingo (13), ultrapassando a marca de 96% de reservas feitas. A taxa se mantém elevada mesmo no dia do feriado da Proclamação da República, com 80% de média de ocupação.

O levantamento foi feito pelo Observatório do Turismo e Eventos, ligado à SPTuris, e levou em consideração empreendimentos nos bairros Itaim Bibi, Vila Olímpia, Brooklin, Moema, Vila Mariana, Pinheiros, Santo Amaro, Jardim Paulista, Jardins e Higienópolis, além da região da avenida Paulista.

Em algumas unidades, todos os quartos estão ocupados.

Além do volume de turistas e visitantes, o investimento feito durante a estadia também é aguardado com grande expectativa pela Prefeitura de São Paulo. Em 2021, durante a realização do GP de São Paulo, o gasto médio de não moradores da cidade foi de R$ 4,5 mil.

"Esse resultado mostra o quanto São Paulo agrada os visitantes, incentivando e democratizando o impacto desse consumo", afirma Gustavo Pires.

"Para este ano, nossa expectativa é fechar com saldo positivo de 40 mil postos formais de trabalho no setor de turismo, com ênfase em bares e restaurantes, segmento que é referência de qualidade na cidade", diz ainda, ao comentar a retomada após dois anos de pandemia.