Governo de SP prorroga suspensão do futebol e confirma temor de dirigentes

JOÃO GABRIEL E ALEX SABINO
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A prorrogação da fase emergencial da quarentena em São Paulo confirma o temor de dirigentes de clubes e da Federação Paulista de Futebol (FPF). O governo de São Paulo confirmou que a proibição da realização de partidas de futebol, bem como de outras competições esportivas no estado, segue valendo até o dia 11 de abril como forma de tentar conter a disseminação do coronavírus. Desde que o governador João Doria (PSDB) anunciou novas restrições no estado e suspendeu as competições esportivas por 15 dias, na primeira metade de março, os cartolas do futebol tentaram por diversos caminhos manter o Campeonato Paulista intacto, mas não conseguiram. O temor era exatamente que a proibição fosse maior que a quinzena inicial, o que acarretará prejuízos financeiros não só pela ausência de exibição das partidas na televisão, mas também pela possibilidade de que o fim do Campeonato Paulista seja adiado e bagunce todo o calendário do futebol brasileiro novamente. A federação e os presidentes dos clubes tentaram diferentes manobras desde que o Ministério Público recomendou a paralisação do futebol no estado: desde tentar persuadir o governo paulista a mudar de posição a discussões sobre ir à Justiça contra a restrição. Quase nada deu certo. A FPF conseguiu, no entanto, remarcar duas partidas do Campeonato Paulista para a cidade de Volta Redonda, no Rio de Janeiro, em troca de doações de equipamentos para UTI: São Bento 1 x 1 Palmeiras, na última quarta-feira (24), jogo que antes chegou a ser marcado para Minas Gerais, e Mirassol 0 x 1 Corinthians, na última terça-feira (23). O time alvinegro joga nesta sexta-feira (26) contra o Retrô-PE, pela Copa do Brasil, novamente no Rio de Janeiro, em Saquarema. Presidente do Santo André, Sidney Riquetto acredita que a solução continue sendo encontrar novas praças para realizar as partidas. “A maioria dos meus contratos [com atletas] vence dia 15 de maio. Se [a suspensão] chegar até 30 de abril e o campeonato ultrapassar [sua previsão de final], não sei se terei condições de prorrogar os acordos. Porque se ficar parado, a Globo não vai pagar a cota [de TV] do dia 15 de abril, a última. Então vai ficar insustentável”, afirmou. A federação aguarda ser comunicada sobe o assunto para se pronunciar. Uma reunião foi convocada para a manhã de segunda-feira (29) com os clubes. Pelo calendário inicial, a fase de grupos do torneio acabará no fim de abril e o segundo jogo da decisão será dia 23 de maio. "[Sobre] os eventos esportivos e futebol, seguimos a recomendação do Ministério Público de restrição nesta fase emergencial. Continuamos seguindo a recomendação deles", afirmou José Medina, membro do Centro de Contingência do governo paulista, no Palácio dos Bandeirantes. O período de prorrogação, entre os dias 31 de março e 11 de abril, compreende mais três rodadas do Paulista pela programação inicial da federação. * CAPÍTULOS DA ATUAL DISPUTA ENTRE FEDERAÇÃO E GOVERNO DORIA PELO FUTEBOL EM SP 9.mar.2021 Ministério Público de SP recomenda suspensão do futebol e governo Doria acena positivamente 11.mar.2021 João Doria anuncia a suspensão de todas as competições esportivas no estado; clubes de futebol e Federação Paulista querem manter o Estadual 16.mar.2021 Federação marca São Bento x Palmeiras para Belo Horizonte, mas governo de Minas Gerais proíbe partida 18.mar.2021 Sem conseguir levar jogos a outros estados, federação e clubes desistem de entrar na Justiça e entidade suspende jogos do final de semana 22.mar.2021 Federação fecha acordo com a prefeitura de Volta Redonda para levar dois jogos do Paulista para a cidade do RJ: São Bento x Palmeiras e Mirassol x Corinthians 24.mar.2021 Sem sucesso na tentativa de achar um local para Ponte Preta x Santos, federação desiste de tentar remarcar a partida 26.mar.2021 Prorrogação da fase emergencial da quarentena no estado de SP impede competições esportivas até o dia 11 de abril