Governo muda protocolo e libera cloroquina desde primeiros sintomas de coronavírus

Yahoo Notícias
Foto: REUTERS/Adriano Machado
Foto: REUTERS/Adriano Machado

Confirmando o anúncio de Jair Bolsonaro (sem partido) na véspera, o Ministério da Saúde emitiu um novo protocolo na manhã desta quarta-feira (20) liberando o uso de cloroquina até para casos leves de covid-19 pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Até então, o protocolo oficial do Ministério da Saúde previa o uso da medicação apenas para casos graves. Na terça-feira (19), o presidente chegou a fazer piada com a mudança: "Você não é obrigado a tomar cloroquina. Quem é de direita toma cloroquina. Quem é de esquerda toma Tubaína".

Leia também:

O novo protocolo mantém a exigência de que o paciente autorize o uso da medicação através da assinatura de um termo de consentimento. O termo deve ressaltar que "não existe garantia de resultados positivos" e que a substância pode causar efeitos colaterais, podendo levar à morte.

Na terça-feira, em uma transmissão ao vivo pelo Facebook, Bolsonaro reconheceu que, no futuro, podem concluir que a substância serviu apenas como uma espécie de placebo no combate à doença. Ele, no entanto, observou que a comunidade médica também pode chegar à descoberta de que ela foi útil na cura de pacientes.

A utilização da cloroquina para o tratamento do coronavírus ainda não tem evidências científicas que apontem eficácia e vai na contramão de estudos recentes, que apontam pouco ou nenhum benefício do uso da substância no tratamento de covid-19, além de causar graves efeitos colaterais.

A divergência em torno do uso da cloroquina é apontada como o principal motivo da saída do oncologista Nelson Teich do comando do Ministério da Saúde, chefiado interinamente desde a semana passada pelo general Eduardo Pazuello.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também