Goleiro da Ponte Preta nega preconceito ao ironizar repórter

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O goleiro Aranha, 36 afirmou nesta segunda-feira (24) que não teve a intenção de ofender ninguém após a declaração do último sábado (22), quando a Ponte Preta eliminou o Palmeiras e se classificou para a final do Campeonato Paulista.

Na oportunidade, o camisa número um da equipe pontepretana ficou irritado ao ser perguntado sobre sua forma física e disse que "muitos jornalistas gostam de homem, gostam de homem sarado, gostam de cara que tira a camisa e ficam mostrando o abdômen".

"Não sei a quem pedir desculpas nem por que, porque não ataquei ou ofendi ninguém. Confundiram com racismo. Nunca me intitulei porta voz da luta contra o racismo. Em entrevista, às vezes numa resposta que você diz em torno de tantas perguntas pode escapar algo errado e gera muita polêmica", disse o goleiro à 'ESPN'.

"Não discriminei, nem apontei ninguém, não fui preconceituoso. Acho que não vale nem a pena prosseguir num assunto banal como esse", acrescentou.

Procurada pela reportagem, a Ponte Preta afirmou que o goleiro não falaria mais sobre o assunto.

Aranha é o jogador mais velho do elenco da equipe do interior, que busca o primeiro título de expressão da sua história de quase 117 anos. Na decisão, o time pega o Corinthians.

De acordo com o site da Ponte Preta, Aranha tem 1,93 e 99 quilos.

Em setembro de 2014, o goleiro foi vítima de injúria racial quando defendia o Santos em uma partida válida pela Copa do Brasil. Na época, torcedores do Grêmio que compareceram ao estádio do time gaúcho chamaram o jogador de macaco. além de imitaram gestos e sons do animal.