Globo diz que críticas de clubes sobre acordo com a TNT são 'requentadas'

LANCE!
·2 minuto de leitura


O Grupo Globo respondeu ao pedido do Conselho Administrativo Defesa Econômica (CADE) de explicação sobre o porquê do pagamento menor aos clubes que assinaram acordos de transmissão do Brasileirão 2021 com a TNT Sports, nesta segunda-feira (12).

De acordo com a coluna de Gabriel Vaquer, do UOL, a emissora afirmou que as reclamações seriam "requentadas" e já foram investigadas pelo próprio conselho.

> Confira as classificações atualizadas dos campeonatos estaduais e simule os resultados do seu time!

A investigação do CADE começou após uma reclamação do Bahia, que afirmou receber menos em seu acordo de TV Aberta com a Globo por ter cedido seus direitos no circuito fechado à TNT Sports. O clube considerou esta diferença injusta e o Conselho pediu a emissora que explicasse a prática.

- A alegação que aparece na Nota de Instauração do Inquérito, por parte do Clube Bahia, é de que o Grupo Globo poderia ter imposto preços diferentes para os clubes que tivessem contratos com outras emissoras ou programadoras, com declaração transcrita do clube de que receberia menos em TV Aberta e PPV da Globo, por ter contrato com a Turner para o mesmo campeonato em TV Fechada - disse a resposta da emissora.

- Ocorre que, na realidade, se trata de denúncia ou reclamação "requentada" ou "recauchutada", pois assim como a Globo, como mencionado acima, já apresentou esclarecimentos sobre "redutores" ao CADE - complementou a Globo.

​A emissora afirma que oferece um valor menor para estes clubes pois outros contatos podem "conter prerrogativas que diminuam o valor do produto". Para a Globo, esta diferença iguala os times que assinaram todas as plataformas com ela e os que acordaram com outros canais, diferentemente do alegado pelo Bahia.

​- Os clubes que celebraram contrato de TV Fechada com a Turner cederam àquela empresa, para aquela mídia específica, mais direitos do que consta dos contratos dos clubes que cederam seus direitos à Globo para aquela mídia. Daí a necessidade dos "redutores" nos contratos: justamente para dar tratamento isonômico aos clubes - concluiu a emissora.