Ginastas alemãs marcam posição com uniformes que cobrem todo corpo em Tóquio

·1 minuto de leitura
Ginasta alemã Elisabeth Seitz compete nas barras assimétricas durante Campeonato Europeu de Ginástica Artística na Basileia, na Suíça

Por Gabrielle Tétrault-Farber

TÓQUIO (Reuters) - Ginastas alemãs da equipe feminina decidirão se usarão uniformes que cobrem o corpo inteiro na classificatória de domingo na Olimpíada de Tóquio, após serem elogiadas por vesti-los no passado em uma posição contra a sexualização do esporte que praticam.

A equipe alemã usou macacões fúcsia --uma combinação entre collants e leggings que se estende aos tornozelos-- nos treinos em Tóquio na quinta-feira e disse que podem escolher vesti-los novamente quando as competições começarem.

"Queremos mostrar que todas as mulheres, qualquer uma, devem decidir o que usar", disse Elisabeth Seitz, que competirá pela terceira vez nos Jogos.

Nos últimos anos, o esporte tem sido abalado por casos generalizados de abusos sexuais e físicos, incluindo nos Estados Unidos, o que gerou reflexão e a introdução de novos protocolos de segurança para proteger atletas.

A equipe alemã usou o uniforme de corpo inteiro no Campeonato Europeu em abril, uma medida que foi muito elogiada por outras ginastas.

"Isso não significa que não queremos mais usar o collant normal", disse Seitz, de 27 anos. "É uma decisão tomada dia a dia, com base no que sentimos e no que queremos. No dia da competição, decidiremos o que vestir."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos