Gilberto comenta superação e diz preferir artilharia à titularidade

Após um começo de passagem ruim pelo São Paulo em 2016, o centroavante Gilberto vem surpreendendo na temporada. Mesmo depois da chegada de Lucas Pratto, o brasileiro se firmou como artilheiro do Tricolor em 2017, mesmo vindo do banco de reservas – condição que não incomoda o atacante de 27 anos.

“Prefiro ser artilheiro do que ser titular. Cheguei um pouco tarde ao grupo e consegui fazer gols no estadual. Espero continuar essa sequência, ajudar o São Paulo nessa reta final e continuar bem no Brasileiro para superar minha média, que é pela Portuguesa”, afirmou Gilberto em entrevista exclusiva ao SporTV.

No sábado, o São Paulo goleou o Linense por 5 a 0 e sacramentou a vaga na semifinal do Paulistão. Com dois gols anotados na partida, Gilberto chegou a nove, ultrapassou William Pottker, da Ponte Preta, e assumiu a artilharia do torneio. Na temporada, o atacante ainda tem cinco passes decisivos na temporada, melhor marca no time.

“Tive uma conversa com o Rogério no fim do ano passado que foi muito importante para isso. Ele falou da necessidade de contratar um atacante de renome e eu falei que a única coisa que eu queria era continuar no São Paulo para ser treinado por ele. Eu falei que a oportunidade que ele me desse eu ia agarrar e não ia querer mais sair do time. Hoje colho esses frutos e eu falo que nós dois fizemos o certo, eu ter permanecido e ele ter apostado”, acrescentou.

Contra o Defensa y Justicia, pela Copa Sul-Americana, Gilberto foi deixado de lado e Rogério optou por entrar em campo com Lucas Pratto e Chavez. A partida terminou 0 a 0. “Acho que o Rogerio sabe do que ele precisa. A hora que ele quiser contar comigo e Pratto no jogo ele pode contar. O Pratto é um cara sensacional, jogador inteligente. Vou procurar sempre ajudar ele e ele também me ajudar. Vamos fazer gols juntos. Isso se o Rogerio precisar um dia”, analisou.

“Eu realmente não sei jogar de lado, já joguei, mudei bastante minha característica com os anos. No Inter joguei mais pelo lado e o Damiao era o principal atacante, mas fui me tornando cada vez mais centroavante. Mas claro que se o Rogerio falar para mim que precisa de mim na ponta, vou fazer com o maior orgulho do mundo, mas ele tem q saber q não vou poder jogar noventa minutos com o mesmo ritmo de um cara que joga na ponta, mas acho que 45 minutos dá pra fazer” assumiu.

Sem escolher adversários para a semifinal do Paulistão, Gilberto falou sobre sua superação entre as temporadas e o apoio que vem recebendo da bancada Tricolor. “2016 foi muito desgastante para mim mentalmente, não estava bem. Tive uma preparação total tanto física quanto mental sabendo que eu tinha que dar a volta por cima no clube, onde já começavam as críticas e a torcida estava até com razão. Hoje fico feliz de estar bem, com a torcida gritando meu nome. A gente se rende ao jogo de uma forma diferente. A cada jogo que passa fico mais confiante”, completou.