Gideoni Monteiro e Fernando Louro debatem sobre ciclismo em evento

Os ciclistas Gideoni Monteiro e Fernando Louro estiveram, nesta quinta-feira, no Café King of the Fork (KOF), no bairro de Pinheiros, em São Paulo, e contaram suas histórias no esporte, na primeira edição do Shimano Fest Convida, uma série de encontros com personalidades relacionadas à bicicleta, visando a promoção do Shimano Fest 2017, evento programado para ocorrer entre os dias 14 e 17 de setembro, no Jockey Club de São Paulo.

Com a experiência de ter participado de três Olimpíadas, em Moscou 1980, Seul 1988 e Barcelona 1992, Fernando Louro fez uma análise do cenário atual do ciclismo de pista no País e lamentou a ausência de 24 anos de um ciclista brasileiro em Jogos Olímpicos. Louro foi o último representante do Brasil nas competições realizadas no velódromo olímpico até Gideoni Monteiro disputar a Olimpíada do Rio de Janeiro.

“O ciclismo de pista tem tudo para dar certo, mas infelizmente, por alguma razão que eu não sei explicar, o esporte ficou tanto tempo sem um representante. Podiam fazer uma análise do quanto benéfica é a modalidade e o quanto de medalhas são disputadas em Jogos Olímpicos, por exemplo, algo muito importante na pontuação geral da principal competição esportiva do mundo”, avaliou.

Feliz pela oportunidade de estar ao lado de Fernando Louro, Gideoni contou a experiência inédita em sua vida de competir em uma Olimpíada, ainda mais em casa, e destacou o apoio recebido dos torcedores brasileiros, que lotaram o Velódromo do Parque Olímpico do Rio de Janeiro.

“Participar de uma Olimpíada em casa foi muito gratificante. Competir no Brasil e ter o carinho do público, foi algo especial. Vi isso em todos os esportes. O brasileiro transformou o Velódromo em um estádio de futebol, então foi bem bacana. A Rio 2016 foi uma grande oportunidade de mostrarmos que não existe apenas um único esporte no País, mas sim vários outros que também são bem legais de assistir ou praticar”, disse.