Representantes negam acusações de suborno contra Cristiano Ronaldo

A Gestifute, agência representante de Cristiano Ronaldo, emitiu um comunicado negando a acusação do jornal alemão Der Spiegel, que diz o jogador do Real Madrid teria pago 258 mil euros para evitar uma denúncia de estupro à justiça dos Estados Unidos, em 2009.

Segundo o jornal  alemão, os atos foram cometidos em 13 de Junho de 2009, em um hotel de luxo em Las Vegas, dias depois de acertar a sua mudança do Manchester United para a equipe blanca. O acordo com a suposta vitima teria sido feito sete meses depois por meio de um intermediador, em Nevada.

"O Jornal alemão Der Spiegel publica hoje uma extensa notícia sobre uma alegada acusação de violação que, segundo se refere, teria sido feita a Cristiano Ronaldo em 2009, ou seja, há cerca de 8 anos. Trata-se de uma peça de ficção jornalística", diz o comunicado.

Confira o comunicado da Gestifute na integra:

"O Jornal alemão Der Spiegel publica hoje uma extensa notícia sobre uma alegada acusação de violação que, segundo se refere, teria sido feita a Cristiano Ronaldo em 2009, ou seja, há cerca de 8 anos.

Trata-se de uma peça de ficção jornalística.

A suposta vítima recusa ser identificada e corroborar a estória. E todo o enredo se baseia em documentos não assinados e em que as partes são identificadas por códigos, em emails entre advogados que não dizem respeito a Cristiano Ronaldo e cuja autenticidade ele desconhece, e numa suposta carta que teria sido enviada pela putativa vítima, mas que ele nunca recebeu.

A reportagem do Der Spiegel é falsa e Cristiano Ronaldo agirá contra esse órgão de comunicação social por todos os meios ao seu alcance. A imputação de uma violação é uma acusação nojenta e ultrajante que não pode ficar em claro."