GE especial tem Galvão bigodudo e Casão dando 90% de chance do SP ser campeão

Yahoo Esportes
<span>Galvão Bueno, bigodudo, foi um dos apresentadores da longa história do Globo Esporte (reprodução/TV Globo)</span>
Galvão Bueno, bigodudo, foi um dos apresentadores da longa história do Globo Esporte (reprodução/TV Globo)

O programa Globo Esporte celebrou os seus 40 anos de existência com uma edição especial nesta terça-feira (14). Logo de cara, a tradicional atração esportiva, que em São Paulo é comandada por Ivan Moré, levou ao ar imagens de todos os outros apresentadores que estiveram à frente do GE. Destaque para um Galvão Bueno da década de 80 com visual diferente, ostentando um bigodão.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Mas o Globo Esporte não deixou de falar sobre o noticiário atual e contou até com a volta do quadro “Fala, Casão”, depois de uma pausa desde a Copa do Mundo. O comentarista Walter Casagrande respondeu a perguntas de torcedores ali. Na primeira delas, já se arriscou a dar ao São Paulo, atual líder do Brasileirão, um favoritismo bem grande para a conquista do campeonato.

O analista global foi perguntado por um torcedor sobre quais as chances de o São Paulo ser campeão brasileiro neste ano, de zero a dez, e o ex-jogador foi ousado: “Cara, eu acho que nesse momento é nove. Você vê que foram nove vitórias fora de casa [na verdade, foram cinco vitórias tricolores como visitante no Brasileiro, com três empates e duas derrotas], um ritmo de campeão, mesmo.”

“Nove, já, 90%?”, indagou o apresentador, surpreso com a resposta do comentarista. “Eu acho. Nesse momento, sim, porque é o melhor time fora de casa, ganha em casa, também, tem uma estrutura. Eu acho assim: o Inter é o mais perigoso [adversário pelo título] para o São Paulo”, argumentou Casão, que também falou sobre a queda de rendimento do Corinthians, em sua opinião sem culpados. “Perdeu muitos jogadores antes e durante a Copa do Mundo, não é fácil ficar refazendo o time o tempo todo, não é fácil sair treinador e surgir outro que dê certo o tempo todo, as coisas são complicadas. Então não tem responsabilidade nenhuma, a realidade do Corinthians é essa, tem que tomar cuidado com o que faz, porque tem Copa do Brasil, Libertadores, mas tem Campeonato Brasileiro. Tem que dar uma ajeitada aí”, opinou.

<span>Quadro “Fala, Casão” voltou ao ar após a Copa nesta terça-feira (reprodução/TV Globo)</span>
Quadro “Fala, Casão” voltou ao ar após a Copa nesta terça-feira (reprodução/TV Globo)

Questionado por outro torcedor se com Felipão no comando o Palmeiras tem chance de ser campeão da Libertadores, ele respondeu que sim, mas cornetou o técnico. “Tem chance, o elenco é muito bom, o Felipão é um treinador super experiente e respeitado. Só não gosto quando termina o jogo, como foi contra o San Lorenzo [Cerro Porteño, na verdade], ganhando o jogo e com quatro volantes. Pô, é totalmente fora da linha de futebol moderno, daquilo que todo mundo deseja e que também eu gosto. Ele não precisa fazer as coisas que eu gosto nem que ninguém gosta, ele faz aquilo que ele acha melhor, mas quatro volantes é demais.”

De volta aos festejos dos 40 anos de Globo Esporte, Ivan Moré leu mensagens enviadas por telespectadores. Uma delas de Alessandra do Valle, filha do saudoso narrador Luciano do Valle, falecido pouco antes da Copa de 2014 e que também foi apresentador da atração. “Meu pai amado Luciano do Valle”, escreveu ela.

Também foi exibida uma reportagem especial de Tino Marcos revivendo as primeiras aparições de personagens consagrados do esporte brasileiro no GE, entre os quais a rainha do basquete, Hortência, e o maior tenista do país entre os homens, Gustavo Kuerten, que deram depoimentos. O próprio Tino, jovenzinho, relembrou a sua primeira matéria para a atração.

Repórter Tino Marcos em sua primeira reportagem para o Globo Esporte, em 1986 (reprodução/TV Globo)
Repórter Tino Marcos em sua primeira reportagem para o Globo Esporte, em 1986 (reprodução/TV Globo)

Léo Batista, primeiro apresentador do Globo Esporte, também foi homenageado no último bloco do programa. “Quarenta anos que eu inaugurei, que eu inaugurei, que eu me apresentei com aquela gola ridícula. Esse garoto prometia, né? Fazia direitinho”, brincou.

Na área com Nicola – Brasileirão, um matadouro de treinadores

Leia também