Gay, diretor da Fifa diz acreditar que todos são bem-vindos no Qatar

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após entrevista coletiva de Gianni Infantino, presidente da Fifa, neste sábado (19), o diretor de relações com a mídia da entidade, Bryan Swanson, pediu a palavra para defender o mandatário de críticas sobre a escolha do Qatar como sede da Copa do Mundo.

"Eu vejo muitas críticas a Infantino desde que cheguei à Fifa, especialmente da comunidade LGBTQIA+. Estou aqui no Qatar como um homem gay, e nós recebemos garantias de que todos serão bem-vindos nesta Copa do Mundo. E acredito que serão", disse.

Swanson disse, ainda, que não é porque Infantino não é gay que ele não liga para os direitos LGBTQIA+. E assegurou que a pauta é cara ao presidente da Fifa.

Durante a entrevista, Infantino dissera que se sente "qatari, árabe, africano, gay, deficiente e um trabalhador migrante". A fala foi uma tentativa de sinalização positiva às minorias em meio às polêmicas e críticas por causa da escolha do Qatar como sede da Copa do Mundo.

Ele também disse que as críticas são fruto de uma hipocrisia ocidental. "Sou europeu. Deveríamos estar pedindo desculpas pelos próximos 3.000 anos pelo que fizemos nos últimos 3.000 antes de dar lições de moral", disse.

"Se a Europa realmente liga para o destino dessas pessoas [trabalhadores migrantes], deveria criar meios legais, como o Qatar fez, para levá-los para trabalhar na Europa e lhes dar futuro e esperança", continuou.

Também neste sábado, Hassan Al Thawadi, chefe do Comitê Supremo para Entrega e Legado da Copa, disse que as críticas ao Qatar como sede da Copa são baseadas em visões racistas do país.

O Qatar é criticado pelo seu tratamento dispensado a trabalhadores migrantes —muitos dos quais construíram os estádios e a infraestrutura da Copa do Mundo—, à comunidade LGBTQIA+ —a homossexualidade é crime no país— e às mulheres.

Além disso, o Qatar se envolveu em nova polêmica na sexta (18), quando proibiu a venda de cerveja nos estádios da Copa do Mundo. A Budweiser, uma das patrocinadoras do evento, mostrou-se surpresa.

Ex-mandatário da Fifa, Sepp Blatter disse no início deste mês que a escolha do país árabe como sede do evento foi um erro.