Daniel Alves e Higuaín decidem, Juve bate Monaco e coloca pé na decisão

Mônaco, 3 mai (EFE).- A Juventus repetiu o que o Real Madrid fez ontem e também colocou um dos pés na final da Liga dos Campeões da Europa, ao vencer nesta quarta-feira o Monaco, fora de casa, por 2 a 0, em dia de dobradinha fulminante do lateral-direito Daniel Alves e do centroavante argentino Gonzalo Higuaín.

O brasileiro foi responsável pelas assistências para os dois gols do camisa 9. O primeiro saiu aos 29 minutos do primeiro tempo, após duas jogadas bisonhas do artilheiro, que não havia marcado em mata-matas pela equipe 'bianconera' desde que chegou ao clube, no início da temporada.

Na etapa complementar, aos 14, Daniel Alves, que atuou mais avançado, em um esquema com três zagueiros utilizado pelo técnico Massimiliano Allegri para neutralizar o forte ataque do Monaco, acertou um cruzamento milimétrico para que Higuaín balançasse as redes.

Com a vitória, a Juventus, que contou com o lateral-esquerdo Alex Sandro por 90 minutos, pode perder por um gol de diferença que estará classificada, muito provavelmente para encarar o Real Madrid, que ontem bateu o Atlético de Madrid por 3 a 0 no estádio Santiago Bernabéu.

O Monaco, do zagueiro Jemerson, que também atuou durante toda a partida, terá a dura missão de marcar pelo menos dois gols na volta, mesmo número que a equipe de Turim tomou em toda a competição. Caso vença por 2 a 0, levará o duelo para a prorrogação. Se levar um gol, mas conseguir dois de vantagem, conseguirá a vaga por ter marcado mais vezes fora de casa.

O novo encontro acontecerá na próxima terça-feira, no Juventus Stadium. No dia seguinte, será a vez de Atlético e Real definirem o segundo finalista da competição. A final acontecerá em 3 de junho, no Millennium Stadium, em Cardiff, no País de Gales.

Para o jogo desta quarta-feira, os dois técnicos apresentaram surpresas. A maior, sem dúvida, veio do Monaco, com o lateral-esquerdo Benjamin Mendy sendo vetado por motivos disciplinares e dando lugar a Djibril Sidibé, que se recuperou de apendicite e foi liberado. O meia Nabil Dirar, assim, foi mantido na direita.

Na Juve, Massimiliano Allegri mudou o desenho tático, avançando Daniel Alves e lançando Andrea Barzagli em uma linha de três zagueiros, ao lado de Giorgio Chiellini e Leonardo Bonucci. Com isso, o meia-atacante Juan Cuadrado acabou perdendo posição no time. Já Claudio Marchisio entrou na vaga do suspenso Sami Khedira.

Os primeiros minutos da semifinal foram de total domínio da equipe italiana, que dominou a posse de bola e tentava levar perigo procurando Higuaín na área. Aos 7, o centroavante argentino, no entanto, caiu de cara no chão, após tentativa de passe de Dybala, matando contra-ataque 'bianconero'.

Apesar do controle da Juventus na partida, a primeira finalização de perigo foi do Monaco, aos 13 minutos do primeiro tempo, quando Falcao García lançou bola na área, Mbappé subiu livre, mas cabeceou fraco, para defesa tranquila e segura de Buffon.

O jovem atacante, de 18 anos, voltou a duelar com o veterano goleiro, de 39, aos 17 minutos. Dessa vez, o lendário camisa 1 italiano teve mais trabalho, fazendo intervenção em que impediu o gol com muito reflexo. Pouco depois, Buffon apareceu de novo, desta vez espalmando para fora uma cabeçada de Falcao.

Aos 24, Higuaín protagonizou outra cena bizarra. Após escanteio da esquerda, Chiellini desviou de calcanhar e achou o centroavante na direita, quase de frente para o gol. 'Pipita', como é chamado, tentou emendar de primeira, mas acabou fazendo a bola sair pelo lado oposto da área.

O camisa 9 da Juve, no entanto, enterrou as críticas e encontrou o caminho do gol aos 29 do primeiro tempo, em mais um contra-ataque fulminante da Juve. Higuaín acionou Daniel Alves na ponta direita e recebeu a bola de volta em um lindo passe de calcanhar, antes de encher o pé e estufar as redes.

O gol fez com que o time visitante voltasse a controlar totalmente a partida, impedindo novas ações ofensivas do Monaco. Aos 38, Dybala cobrou falta da entrada da área, mas não pegou bem, parando em defesa fácil para Subasic.

No segundo tempo, o time do Principado fez de tudo para justificar a fama ofensiva que ganhou nesta temporada. Logo no primeiro minuto, Dirar roubou bola de Mandzukic, Bernardo Silva saiu em velocidade e lançou Falcao García, que bateu para grande defesa de Buffon.

Mais cautelosa, a Juve voltou a ter oportunidade de marcar aos 9, quando Marchisio roubou bola de Sidibé na entrada da área, arrancou e soltou a bomba no canto, parando em ótima ação de Subasic, que se esticou todo e conseguiu evitar o gol com o pé direito.

A pressão no setor ofensivo deu resultado mais uma vez aos 14. Daniel Alves desarmou Babayoko, permitiu que a bola ficasse com Dybala, que também apertou o volante. O argentino devolveu para o brasileiro que cruzou com maestria para Higuaín aparecer no segundo pau e marcar o segundo.

A desvantagem de dois gols foi um banho de água fria para o Monaco, que demorou a demonstrar qualquer força para reação e permitiu que o rival ditasse o ritmo do duelo, sem qualquer pressa para atacar e com muita segurança para defender.

Aos 37, Falcao foi acionado na área, mostrou muita categoria para matar a bola, ajeitá-la e tentar uma finalização acrobática, de calcanhar. Atento, Bonucci não descolou do atacante colombiano e bloqueou o toque na bola.

Na reta final do duelo, o Monaco, enfim, levou perigo real, com dois jogadores que saíram do banco de reservas. João Moutinho cobrou falta da direita e Germain testou, obrigando Buffon a fazer mais uma grande intervenção, garantindo a boa vantagem para o time italiano nas semifinais.


Ficha técnica:.

Monaco: Subasic; Dirar, Glik, Jemerson e Sidibé; Fabinho, Babayoko (João Moutinho), Bernardo Silva (Touré) e Lemar (Germain); Mbappé e Falcao García. Técnico: Leonardo Jardim.

Juventus: Buffon; Barzagli, Bonucci, Chiellini; Daniel Alves. Pjanic (Lemina), Marchisio (Rincón) e Alex Sandro; Dybala, Mandzukic e Higuaín (Cuadrado). Técnico: Massimiliano Allegri.

Árbitro: Antonio Mateu Lahoz (Espanha), auxiliado pelos compatriotas Pau Cebrián Devís e Javier Rodríguez.

Gols: Higuaín (2) (Juventus).

Cartões amarelos: Fabinho (Monaco); Bonucci, Marchisio e Chiellini (Juventus).

Estádio: Louis II, em Mônaco. EFE