Garotos em alta e poder de reação: o saldo da campanha do Fluminense na primeira fase do Carioca

Nathalia Almeida
·2 minuto de leitura

Com a goleada de 4 a 1 imposta sobre o Madureira na manhã deste domingo (25), o Fluminense fechou sua participação na primeira fase do Carioca com a segunda melhor campanha geral do torneio, garantindo a vantagem dos placares combinados nas semifinais do Estadual. Seu rival será a Portuguesa, uma das surpresas da edição, que terminou a classificatória na terceira posição com 21 pontos. Flamengo () e Volta Redonda () se enfrentarão na outra semifinal.

Em linhas gerais, o Tricolor Carioca fez o que dele se espera: com Vasco e Botafogo em reconstrução após rebaixamento à Série B do Brasileirão, o time das Laranjeiras se posicionou de vez como a 'segunda força' do futebol no Estado, panorama que já se desenhava desde o ano passado, quando foi vice-campeão carioca e fez um grande campeonato nacional, terminando na 5ª colocação e voltando à Libertadores após oito anos de hiato.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Mas se analisarmos o nível de atuações de forma mais profunda - ultrapassando a superfície dos números frios -, alguns pontos ainda preocupam o torcedor tricolor: as oscilações dentro do próprio jogo e, principalmente, a dificuldade de assumir as rédeas da partida desde os primeiros minutos, chamam atenção negativamente.

20 dos 21 gols anotados pelo Fluminense na temporada vieram no segundo tempo dos jogos, estatística que pode ser lida de duas formas: o time tricolor tem bom poder de reação e está bem fisicamente para aguentar 'correr atrás' na etapa final, mas o fato de estar sempre tendo que buscar o marcador, além de mais desgastante para os atletas, escancara uma desconcentração/falta de pegada na primeira parte dos duelos. Precisa ser ajustado.

Garotos como Kayky, Gabriel Teixeira e John Kennedy aproveitaram muito bem as oportunidades que receberam no Estadual, assim como Paulo Henrique Ganso, um dos destaques do time na primeira fase. Por outro lado, veteranos como Lucca e Hudson não foram nada bem nos jogos em que atuaram. Xerém continua sendo a resposta e a solução para quase tudo no Fluminense, basta que seus gestores entendam isso e deem aos jovens talentos o devido espaço e reconhecimento.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Fluminense e Portuguesa se enfrentam pelas semifinais do Carioca nos dias 1 e 8 de maio, sendo o primeiro jogo de mando da Lusa. Empate no agregado beneficia o Tricolor das Laranjeiras, por ter emplacado campanha superior.