Gana chega à Copa pressionada e como time azarão em seu grupo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Embora só tenha estreado em uma Copa do Mundo em 2006, na Alemanha, a seleção de Gana sempre foi uma das potências do futebol da África. Terceira maior vencedora da Copa Africana de Nações, com quatro conquistas, teve ainda cinco vices da competição e, desde sua estreia em Mundiais, ficou fora somente na última edição, na Rússia, em 2018.

O momento, no entanto, não é dos melhores para As Estrelas Negras, como a equipe é conhecida. No principal torneio de seleções africanas disputado neste ano, o país caiu já na fase de grupos pela primeira vez desde 2006. Com duas derrotas e um empate, terminou em último na chave que tinha ainda Marrocos, Gabão e Comores.

A fraca campanha no torneio levou a federação a demitir o técnico Milovan Rajevac. O ex-meio-campista alemão-ganês Otto Addo, 47, que jogou por Gana a Copa de 2006, foi o escolhido para o cargo.

Ao assumir o posto, ele defendeu seu antecessor pelos fracassos recentes. "A Copa Africana foi uma coleção de circunstâncias ruins", disse. "O desempenho foi ruim, mas muito azar também trabalhou contra nós", pontuou.

Já sob as rédeas dele, o país conquistou sua vaga na Copa do Mundo no Qatar com dois empates diante da Nigéria. Com um 0 a 0 em casa e um 1 a 1 fora, acabou beneficiado pelo critério do gol como visitante.

Mas o desempenho da seleção não melhorou nem mesmo após a classificação. Fato que tem sido motivo de pressão sobre Addo também.

Ao longo do ano, o histórico de Gana não tem sido animador para os torcedores. Foram apenas duas vitórias em 12 jogos, considerando compromissos pela Copa Africana de Nações e o classificatório para a edição de 2023, as Eliminatórias da Copa e os amistosos.

Os triunfos ocorreram contra adversários de pouca expressão. O primeiro foi contra Madagáscar, em jogo pelas Eliminatórias, e o segundo, um amistoso contra a Nicarágua.

Entre os resultados negativos, há uma derrota por 3 a 0 para a seleção brasileira, em um amistoso na mais recente data Fifa antes da Copa, em setembro.

Apesar disso, os ganeses ainda têm motivos para acreditar em uma boa campanha no Qatar. A confiança passa, sobretudo, pelo plantel à disposição de Otto Addo, formado por atletas que em sua ampla maioria jogam no futebol europeu.

Vários de seus nomes mais reconhecidos atuam na Premier League, com o lateral direito Tariq Lamptey, do Brighton, o meio-campista Thomas Partey, do Arsenal, o zagueiro Mohammed Salisu, do Southampton, e o atacante Jordan Ayew, do Crystal Palace.

Gana conta, ainda, com o atacante Iñaki Williams, que nasceu na Espanha, mas é filho de pais ganeses e por isso resolveu defender a seleção africana, tornando-se um dos maiores nomes da seleção. O jogador defende, atualmente, o Athletic Bilbao.

"Se estivermos 100%, nós poderemos vencer qualquer um", disse o técnico de Gana.

Em seu retorno à Copa, o grande sonho do país é, ao menos, repetir a campanha de 2010, quando a nação se tornou a terceira do continente africano a chegar até as quartas de final. O feito também foi obtido por Camarões, em 1990, e Senegal, em 2002.

A queda na edição realizada na África do Sul, porém, foi bastante traumática. O time foi eliminado da competição pelo Uruguai nos pênaltis, depois de perder a chance de vencer o duelo ainda na prorrogação, quando Luis Suárez cometeu um pênalti ao impedir um gol com a mão.

A cobrança foi feita por Asamoah Gyan, um dos maiores ídolos do país. Mas ele acertou o travessão.

"Hoje, a qualquer momento sozinho, isso ainda me assombra", disse Gyan à TV3 Ghana. "Às vezes eu sinto que o mundo deveria voltar para que eu pudesse me redimir, mas sei que isso é algo que vai me assombrar pelo resto da minha vida."

Mesmo sem a presença dele, contudo, o país terá a chance de se vingar no Qatar, já que está no mesmo grupo que o Uruguai. Também estão na chave Coreia do Sul e Portugal.

GANA

• Grupo: H

• Confederação: CAF (África)

• Participações em Copa: 3

• Melhor colocação: quartas de final (2010)

• Técnico: Murat Yakın

Jogos de Gana na primeira fase

24.nov - Portugal, 13h

28.nov - Coreia do Sul, 10h

2.dez - Uruguai, 12h

Raio-X do craque

• Nome: Iñaki Williams, 28

• Posição: Atacante

• Clube: Athletic Bilbao (ESP)

Fontes: FIFA e Graphic News