Galo x São Paulo: faz sentido ceder Tchê Tchê a um rival que disputará a Libertadores?

Fabio Utz
·2 minuto de leitura

Quantas vezes já não vimos um clube ficar "melindrado" com o fato de ceder um jogador para um rival direto em uma competição importante? Pois esse medo deve acabar. Se não há a convicção em cima de um nome, ou se é preciso de alguma forma dar um fôlego ao elenco, essa situação tem que ser tratada com absoluta naturalidade.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Nesse momento, o São Paulo se encontra propenso a repassar o volante Tchê Tchê para o Atlético-MG. Os dois times disputarão a fase de grupos da Libertadores e até mesmo podem se cruzar caso avancem aos mata-matas. E daí? Se o Tricolor não trata o meio-campista como insubstituível, se seu salário (cerca de R$ 450 mil) é um problema para quem precisa enxugar a folha e se o profissional quer mudar de ares, que se faça a negociação.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Não é isso que vai diminuir o poder de fogo do clube do Morumbi ou aumentar o favoritismo da equipe de Belo Horizonte. Nessas horas, é necessário falar, apenas, em convicção. O São Paulo, ao aceitar negociar nesse momento da temporada, não enxerga Tchê Tchê como alguém que possa fazer a diferença - e vamos combinar, é isso mesmo. Então, que se toque em frente as tratativas. Só tenho severas dúvidas se o Galo realmente não tem no seu grupo alguém melhor. Mas isso é assunto para outro comentário.

Para mais notícias do Atlético-MG, clique aqui.

Para mais notícias do São Paulo, clique aqui.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.