Galo se mostra melhor e anima Roger: “Muitos estiveram em alto nível”

O Atlético-MG foi um time diferente contra a URT, neste domingo, no Independência, em vitória por 3 a 0, resultado que manda o Galo direto para a final do Campeonato Mineiro. Além do resultado, o futebol apresentado pelo clube alvinegro deixou de ser arrastado para animar mais: o time de Roger Machado teve mais intensidade e profundidade, parte disso por conta das entradas de Maicosuel e Marlone nas vagas de Otero e Cazares.

“A gente tinha a vantagem do empate, pela classificação em primeiro na fase anterior, jogamos com ela, mas não por ela. E conseguimos produzir bem. Hoje muitos estiveram em alto nível. E é isso que faz o coletivo funcionar. Tecnicamente e taticamente. Quando um ou dois só conseguem fazer um jogo bom tecnicamente, o coletivo também sofre. Para mim, estas foram as substanciais diferenças”, destacou.

Ele ainda comentou sobre a pressão que a sua equipe vinha sofrendo.

“Pressionados pelos últimos resultados, insatisfatórios, precisávamos de uma atuação deste nível para satisfazer o torcedor, que mesmo insatisfeito, veio. Veio e nos apoiou. Esta é uma torcida diferente. E que ela continue sendo diferente. A maior parte das torcidas do futebol brasileiro é a mesma só com a vitória. Esta torcida, quando não gosta, protesta, mas no momento da partida o apoio é sempre incondicional. Isso que a torna diferente. O apoio é importante. Talvez tenhamos mostrado ao torcedor ter encontrado novamente o rumo das boas atuações e da nossa forma de jogar”, acrescentou.

Durante a semana várias foram as manifestações da torcida do Atlético-MG contra o técnico Roger Machado e também a alguns atletas do elenco. Um grupo, inclusive, foi a porta do centro de treinamento na última semana para conversar com jogadores – com cobranças até para o massagista. Nos gols de Rafael Moura e Robinho, os atletas foram comemorar todos com o treinador alvinegro, algo que chamou a atenção para a união da equipe.

“Isto (apoio dos jogadores) é muito importante, mas, de modo geral, quem vive com o futebol, a nossa amizade é a vitória. E nos momentos de adversidade, o treinador e os jogadores serão pressionados. Há um senso comum de que, quando não se ganha e não se joga bem, é que não houve esforço, e não é verdade. E temos que contextualizar porque, do outro lado, tem um adversário querendo a mesma coisa que a gente. Talvez por entender o desejo de continuidade no trabalho, por estar sendo bem conduzido por todos, não só por mim, e que o começo de qualquer trabalho as coisas são estáveis, os atletas resolveram demonstrar a atitude de apoio ao treinador. É óbvio que isso aí me reforça, me dá condição e motivação para seguir trabalhando”, finalizou.

O Galo agora se prepara para a final do Campeonato Mineiro, contra o Cruzeiro. O Atlético-MG tem vantagens de jogar por dois resultados iguais por ter feito melhor campanha na primeira fase do torneio estadual.