'Gabigol deveria ficar em quarentena para não colocar equipe em risco', diz infectologista

LANCE!
·2 minuto de leitura


Atacante do Flamengo, Gabriel Barbosa, o Gabigol, foi flagrado em uma aglomeração de cerca de 200 pessoas em um cassino clandestino em São Paulo neste domingo. O atleta, contudo, se apresenta ao clube para a temporada de 2021 nesta segunda-feira. Ao L!, o médico e Professor Doutor em doenças infecciosas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ) Edmilson Migowski avaliou quais as medidas que podem ser tomadas para diminuir os perigos de contágio para o resto do elenco.

> Confira a classificação atualizada do Cariocão 2021 e simule os resultados

- Eu creio que, em uma situação como essa onde o jogador frequenta um ambiente com grande circulação do vírus sem a devida proteção, ele deveria ficar, a princípio, em quarentena, em observação, até mesmo fora das aglomerações e do próprio grupo de atletas, sob a pena de outros atletas pegarem a doença a partir dele - explicou o infectologista.

- A situação na cidade de São Paulo nesse momento é bastante crítica. Nós sabemos que é muito elevada a circulação do vírus que causa Covid-19, portanto as aglomerações devem ser sim totalmente desestimuladas. Principalmente quando você aglomera sem o devido cuidado, sem o uso da máscara, higienização das mãos, e aí o risco aumenta - disse Migowski.

O professor enfatizou que qualquer aglomeração sem seguir as normas de proteção, como máscara e o distanciamento, tem o risco de disseminar a doença. Migowski também destacou que o clube não poderia ter fiscalizado ao comportamento de Gabigol durante suas férias.

- É complicado né, é livre-arbítrio. O atleta de férias pode fazer o que quiser. Agora, o problema é que ele acaba colocando em risco o restante do plantel. Até porque a atividade futebolística é uma atividade que não tem como fazer com máscara, com grande distanciamento, ou seja, é uma situação que coloca em risco os demais colegas da mesma equipe - concluiu o médico.

​Gabigol já falou sobre o caso e disse que, além de não ter o costume de frequentar cassinos, "faltou sensibilidade de sua parte". O atleta foi conduzido à delegacia de Polícia e o delegado que conduziu a operação afirmou que o atacante foi "arrogante".