Futebol recomeça na China, a portas fechadas e após cinco meses de interrupção

AFP
Wuhan Zall e demais clubes da Super Liga chinesa foram confinados em uma bolha sanitária
Wuhan Zall e demais clubes da Super Liga chinesa foram confinados em uma bolha sanitária

O campeonato de futebol chinês foi retomado neste sábado (25), após uma interrupção de cinco meses devido à pandemia de coronavírus, prestando homenagem às vítimas com um minuto de silêncio.

De cabeça baixa, os jogadores respeitaram esse minuto simbólico em memória das vítimas da COVID-19 e dos profissionais de saúde.

A partida de retomada foi entre o atual campeão, Guangzhou Evergrande, treinado pelo italiano Fabio Cannavaro, e o vencedor da Copa, Shanghai Shenhua.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Guangzhou Evergrande derrotou o Shanghai Shenhua por 2-0.

O jogo aconteceu a portas fechadas em Dalian (nordeste), uma das duas cidades de Suzhou (leste) que sediará as partidas da China Super League (CSL) nos próximos dois meses, sem público.

Como símbolo, o Wuhan Zall, clube da cidade onde a pandemia teria surgido, disputará a segunda partida contra o recém-promovido Qingdao Huanghai.

Um grupo de seguranças e médicos de jaleco branco recebeu permissão para assistir ao jogo nas arquibancadas, em reconhecimento aos seus esforços no combate ao vírus. Todos eles usavam máscara.

Antes do início da partida, o capitão do Evergrande, o meia internacional brasileiro Paulinho, e seus companheiros de equipe exibiram uma faixa que dizia: "Saudações aos médicos".

Os jogadores do Shenhua usavam camisetas para homenagear os "heróis" do coronavírus.

- Primeiros gols

O atacante internacional chinês Wei Shihao marcou os dois gols do Cannavaro, um em cada tempo.

A CSL, que deveria começar em 22 de fevereiro, foi uma das primeiras competições esportivas do mundo a rever seu calendário quando a pandemia atingiu o país, no final de 2019, antes de se espalhar pelo mundo.

A liga organizadora da competição monitora, com preocupação, o surgimento de muitos novos casos de contágio na cidade portuária de Dalian.

Divididos em dois grupos, os jogadores das 16 equipes foram instalados em seus respectivos hotéis no início da semana, para não terem contato com ninguém por 70 dias.

Poderão sair apenas para treinar, ou disputar duas partidas por semana nesta primeira fase, que vai até o final de setembro.

O jogador belga Marouane Fellaini, de 32 anos, é o único caso conhecido de coronavírus na CSL. Ficou internado por três semanas, embora seu quadro não tenha sido grave. Recebeu alta em abril.

Os esportes voltam a disputados na China, pouco a pouco. A Associação Chinesa de Basquete (CBA), por exemplo, prepara a volta dos torcedores aos complexos esportivos.

O governo chinês descarta, no entanto, a possibilidade de competições internacionais este ano, com o objetivo de impedir a propagação do coronavírus. Ontem, todos os torneios de alto nível programados para 2020 no país foram cancelados.

Leia também