Futebol feminino espanhol vai se profissionalizar na próxima temporada

·2 minuto de leitura
A meia espanhola do Barcelona, Alexia Putellas, comemora com a atacante Jennifer Hermoso no final do jogo das quartos-de-final da Liga dos Campeões contra o Manchester City, no Estádio Brianteo em Monza, em 24 de março de 2021

A liga feminina de futebol vai se profissionalizar oficialmente a partir da temporada 2021-2022, anunciou nesta quinta-feira a presidente do Conselho Superior de Esportes (CSD) e secretária de Estado do esporte espanhol, Irene Lozano.

"É um dia muito importante para o CSD. Depois de muitos meses de trabalho, a 'Liga Ellas' chega a partir deste outono, o que é irreversível", anunciou Lozano em evento que contou com a presença de presidentes de clubes.

A competição será composta por 16 clubes (atualmente são 18 na competição feminina) com um formato inspirado no seu homólogo masculino.

O CSD será responsável pela supervisão da competição durante um período de transição até 2024 através de um acordo de coordenação com a Federação Espanhola de Futebol (RFEF) e os clubes.

Lozano explicou que uma empresa independente ficará encarregado de explorar os ativos da competição, incluindo os direitos televisivos, que treze dos atuais 18 clubes da liga feminina mantêm com a produtora Mediapro.

"Sabemos que existem diversos clubes que assinaram contratos de direitos audiovisuais que são o grande trunfo que eles podem comercializar", disse a presidente do CSD.

"Isso faz parte de um pacote que já começou a ser negociado e há uma grande vontade da Mediapro em facilitar isso, que ainda é uma transição", acrescentou Lozano, insistindo que "todas as operadoras querem ajudar neste processo e que esta Liga profissional seja um sucesso".

No final de junho, o RFEF já havia declarado "competições profissionalizadas em nível estadual de 1ª e 2ª divisão do futebol feminino", além do futsal masculino e feminino.

"Nessa altura, estas competições eram consideradas futebol amador, mas a RFEF fez uma alteração em dois dos seus estatutos (...) que permite que esta classificação seja estabelecida para as competições que reúnam condições materiais, econômicas, profissionais e de trabalho que o tornem aconselhável", afirmou então a RFEF.

gr/psr/aam