Futebol americano universitário e a cultura de vencer acima de vida ou morte

Yahoo Esportes
D.J. Durkin deve ser demitido em breve (John McDonnell/The Washington Post via Getty Images)
D.J. Durkin deve ser demitido em breve (John McDonnell/The Washington Post via Getty Images)

Dá para dizer que o futebol americano universitário é a segunda liga na preferência dos norte-americanos, atrás apenas da NFL. Em todos os sábados da primavera, milhões de pessoas lotam os estádios para torcerem para a universidade em que estudaram ou apenas o time de sua preferência. E o college football é um negócio extremamente rentável para as faculdades, então o que importa ao máximo é vencer. Em algumas instâncias, é mais importante até vencer do que ter uma mínima decência, como dois casos recentes nos mostraram.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Jogador de 19 anos morre após treino em Maryland

No início deste mês, a ESPN americana publicou uma matéria que falava da “cultura tóxica” do programa de Maryland, que era tão pesada que colaborou para a morte do linha ofensiva Jordan McNair, de apenas 19 anos.

McNair morreu no dia 19 de junho, duas semanas após ser hospitalizado por desmaiar durante um treino voluntário da equipe em que os jogadores precisavam correr séries de tiros de 100 metros em um calor insuportável. O jogador, que apresentava visíveis sinais de exaustão, chegou ao hospital com temperatura corporal de 41º C.

Por que ele não foi retirado do treino? Por que ele mesmo não parou? É aqui que entra a cultura tóxica no programa, e que provavelmente não é exclusiva dos Terrapins. De acordo com a matéria da ESPN, muitas das relações dentro do programa eram baseadas em intimidação, principalmente por parte do preparador físico Rick Court, que estava em Maryland desde a chegada do técnico D.J. Durkin em 2015.

A matéria exemplifica muitos comportamentos abusivos por parte da comissão técnica do programa:

  • um jogador teve sua bandeja de comida jogada longe em uma reunião;

  • Court teria jogado pequenos pesos na direção de atletas;

  • um estudante-atleta que não conseguia emagrecer teria sido forçado a comer doce enquanto seus companheiros faziam exercícios;

  • um atleta foi forçado a comer excessivamente quando não conseguia ganhar peso;

  • inúmeros palavrões e questionamentos de masculinidade, que eram direcionados aos jogadores em qualquer momento, até quando um deles teria desmaiado durante um treino.

Após a morte de McNair, os treinos voluntários foram menos intensos, mas foi só os treinos pré-temporada começarem no início de agosto que tudo voltou ao “normal”, como se nada tivesse acontecido.

Recentemente, o presidente da universidade Wallace Loh e o diretor esportivo Damon Evans deram uma coletiva falando que conversaram com a família de McNair e pediram desculpas pelo acontecido e que a universidade se responsabilizaria totalmente pela morte do estudante-atleta.

Até o fechamento desta matéria, a faculdade continua com duas investigações, uma sobre a morte de McNair e outra sobre a cultura do programa. O preparador físico Rick Court assinou um acordo de rescisão de contrato, enquanto o técnico D.J. Durkin e outros membros da comissão técnica estão afastados de seus cargos, com o coordenador ofensivo Matt Canada, o técnico mais recente do staff, sendo elevado ao posto de head coach interino. É esperado que Durkin, Loh e Evans sejam demitidos.

Ohio State e o acobertamento de violência doméstica

Urban Meyer no dia de mídia da Big Ten (Robin Alam/Icon Sportswire via Getty Images)
Urban Meyer no dia de mídia da Big Ten (Robin Alam/Icon Sportswire via Getty Images)

Urban Meyer é um dos melhores técnicos do futebol americano universitário, tendo conquistado três títulos nacionais nos últimos 15 anos, dois em Florida e um em Ohio State, onde é o head coach até hoje. Nos últimos dias, Meyer esteve envolvido em um escândalo de acobertamento de violência doméstica. E mesmo assim, ele estará no banco dos Buckeyes a partir da quarta partida da temporada do college football.

A história começa em 2009, quando Meyer ainda treinava Florida e tinha Zach Smith como seu técnico de wide receivers. Naquele ano, Smith foi preso por violência doméstica contra sua esposa Courtney, então grávida, após chegar em casa com uma funcionária da universidade. A acusação não foi levada para frente por falta de provas, mas a imprensa americana afirma que pessoas próximas a Meyer e Smith pediram que Courtney não continuasse no caso. Meyer e sua mulher, Shelley, chegaram até a atuar como conselheiros para o “novo casal” na oportunidade.

Quando Meyer foi para Ohio State em 2012, ele levou Smith para a mesma posição. Juntos, os dois foram campeões nacionais em 2014.

No fim de julho deste ano, o repórter Brett McMurphy noticiou mais um caso de violência doméstica envolvendo Zach Smith e Courtney. No mesmo dia, Ohio State demitiu Smith. E no dia seguinte, Meyer subiu ao palanque do dia de mídia da conferência Big Ten afirmando não ter conhecimento da acusação.

Mas McMurphy não parou por aí e noticiou que Meyer provavelmente sabia da acusação, já que ele teve acesso a mensagens de texto em que Courtney detalhava o caso para a esposa de Meyer, Shelley, além de fotos. Depois disso, o técnico foi suspenso pela universidade enquanto uma investigação era conduzida.

Nesta quarta (22), depois de uma reunião que durou mais que dez horas, a presidência da universidade anunciou suspensão de três jogos sem pagamento a Meyer e 15 dias de suspensão do diretor esportivo Gene Smith.

Pouco tempo depois de anunciar a suspensão, a universidade publicou o relatório final da investigação e alguns detalhes deixaram claro que Urban Meyer hoje é basicamente maior que a Universidade do Estado de Ohio.

No relatório, os investigadores listam que quando Meyer soube da acusação, ele procurou um diretor do programa para saber como limitar acesso a suas mensagens de texto, deletando todas os rastros de qualquer coisa com mais de um ano. Se isso não é destruir provas para alterar uma investigação, eu não sei.

No fim, a maioria dos programas tem problemas. Ole Miss, por exemplo, pagava jogadores por fora (e outras universidades também, mas que não foram descobertas). Mas é necessário ter um mínimo de decência para com as pessoas, e alguns dos programas universitários fazem vista grossa para tentar acumular o máximo de vitórias possíveis, porque é isso o que importa para eles.

Leia mais:
– Cairo Santos é dispensado e fica sem time na NFL
– Estádio “travado” e até NFL criam problema para Tottenham x City
– Cheerleaders: pedidos e regras absurdas mostram sexismo da NFL

2 Minutos com Nicola – Copa do Brasil ou Libertadores?

Leia também