#Verificamos: É falso que funcionários brasileiros do Butantan estão proibidos de acessar ala de produção da CoronaVac

Agência Lupa
·1 minuto de leitura
É falso que funcionários brasileiros do Butantan estão proibidos de acessar ala de produção da CoronaVac - Foto: Governo São Paulo
É falso que funcionários brasileiros do Butantan estão proibidos de acessar ala de produção da CoronaVac - Foto: Governo São Paulo

por SAMUEL COSTA

Circula no WhatsApp uma mensagem que denuncia um suposto banimento de funcionários brasileiros da ala de produção da CoronaVac no Instituto Butantan. Segundo o texto, apenas profissionais chineses teriam autorização para entrar nesta área. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:

É falso que funcionários brasileiros do Butantan estão proibidos de acessar ala de produção da CoronaVac - Foto: Reprodução
É falso que funcionários brasileiros do Butantan estão proibidos de acessar ala de produção da CoronaVac - Foto: Reprodução

“Tenho uma parente no Butantã (sic), tiraram todos os BRASILEIROs e deixaram só os chineses, brasileiros estão proibidos de entrar na ala da produção de vacina”

Mensagem que circula no WhatsApp

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. De acordo com o Instituto Butantan, o envase da vacina está sendo feito “com estrutura e colaboradores do próprio instituto, com vasta expertise no processo”. O Butantan informa que os funcionários “não foram substituídos” por colaboradores da Sinovac. Por telefone, a assessoria de comunicação do instituto explicou também que os funcionários da farmacêutica chinesa não participam desse processo.

Em publicação realizada na última quinta (10), o Butantan anunciou que a sua fábrica conta com área produtiva de 1.880 metros quadrados e que atualmente a produção das vacinas dispõe de 245 profissionais. Outros 120 funcionários serão contratados para reforçar a produção da CoronaVac, que vai se manter ativa em turnos sucessivos sete dias por semana.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Chico Marés