Funcionários da Adidas acusam a marca de racismo nos EUA

AFP
Cerca de 200 marcas, entre elas Adidas, Puma, Coca-Cola, Levis, Starbucks e Unilever decidiram boicotar o Facebook
Cerca de 200 marcas, entre elas Adidas, Puma, Coca-Cola, Levis, Starbucks e Unilever decidiram boicotar o Facebook

A marca esportiva Adidas rejeitou nesta quarta-feira (17) as acusações feitas por trabalhadores nos Estados Unidos, que denunciam problemas raciais na empresa, uma semana depois de ter prometido maior diversidade nas novas contratações.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Um grupo de 83 funcionários nos EUA solicitou ao conselho de vigilância da marca alemã uma investigação sobre a diretora de recursos humanos, Karen Parkin, acusada de ter minimizado os problemas de racismo na empresa.

Leia também:

Solicitam ainda a criação de uma plataforma pública anônima para apresentar denúncias de racismo, disse a Adidas à AFP, confirmando informações do "Wall Street Journal" (WSJ).

Alguns funcionários negros americanos declararam ao jornal que a cultura da empresa está longe de ser igualitária.

Em uma reunião de funcionários no ano passado, na sede da filial Reebok em Boston, Parkin considerou o racismo um "ruído", que é tratado apenas nos Estados Unidos, e um problema que não afeta as marcas do grupo, disse o WSJ.

Em 12 de junho, Parkin pediu desculpas em uma mensagem na intranet, afirmando que "deveria ter usado uma palavra mais adequada" na reunião na sede da Reebok, conforme texto ao qual a AFP teve acesso.

"Adidas e Reebok sempre estiveram e estarão contra a discriminação em todas as suas formas, unidas contra o racismo", declarou a Adidas na nota divulgada nesta quarta.

Com 60.000 trabalhadores no mundo, 10.000 deles nos Estados Unidos, a empresa lembra que já possui uma plataforma telefônica para receber denúncias ligadas a esses assuntos e um mediador externo que responde às questões da equipe, segundo um porta-voz.

No dia 10 deste mês, a Adidas anunciou que 30% dos novos contratados nos Estados Unidos serão pessoas negras, ou de origem latino-americana.

O grupo alemão anunciou também que elevará para US$ 20 milhões, nos próximos quatro anos, o montante destinado a programas de apoio à comunidade negra nos EUA.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também