Frank Mir cogita processar a USADA e o UFC após ser suspenso em caso similar ao de Jones

AgFight
Frank Mir (Foto: Getty Images)

Frank Mir

Frank Mir (Foto: Getty Images)

A passagem de Frank Mir pelo Ultimate se encerrou em 2016. Entretanto, três anos depois, a história do lutador com a organização está longe do fim. Isso porque o ex-campeão peso-pesado quer mover uma ação legal contra a liga e contra a USADA (agência antidoping americana), após ter pego um gancho de dois anos de suspensão por testar positivo para turinabol – mesma substância do atual caso de Jon Jones.

No entanto, na ocasião, em abril de 2016, a liga não teve a mesma cautela e compreensão que está tendo com o atual campeão dos meio-pesados (93 kg). Sendo assim, Mir foi punido com a pena de dois anos afastado do Ultimate – o que, de acordo com o próprio, causou danos irreparáveis em sua carreira.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Eu perdi milhões. Tinha mais seis lutas no contrato que me pagava bem. Se vocês notarem, na minha última luta, não tinha nem patrocinador. É difícil reconstruir tudo agora após falsamente acusado de algo. Esse é o problema, eles ainda estão compreendendo como os testes funcionam. Não acho que você pode afetar a carreira das pessoas, tomar anos da vida deles, sem entender completamente isso. E agora estão voltando atrás com Jon”, desabafou Frank em entrevista à versão inglesa do site russo ‘RT’, antes de lamentar a diferença de tratamento com ‘Bones’.

“Gritava tudo isso, as mesmas coisas que a equipe de Jones gritam. Mas, por alguma razão, sou menos confiável, uma testemunha com menor credibilidade, parece. Jon é o dos melhores lutadores do mundo peso-por-peso, mas ser considerado menos confiável que ele, isso me irrita, machuca”, completou o ex-campeão peso-pesado do Ultimate.

Cerca de três anos após a punição de Mir pela presença do metabólito M3 em seu organismo, a USADA e o UFC estão agindo de forma completamente diferente em casos da mesma natureza. No entanto, a mudança de postura não desmotivou o lutador a pensar em processar as entidades envolvidas.

“Agora eu acho que há um cara novo que tem o metabólito encontrado em seu sistema, mas eles não vão divulgar o nome dele até que descubram o que está acontecendo. Bem, isso é bom para c***. Eu gostaria que eles tivessem feito isso por mim”, ironizou o veterano, antes de deixar claro seu desejo de entrar na justiça.

“(Quero mover ação contra) a USADA por dar instruções de situações, e não utilizar realmente o teste. Eles são os cientistas, deveriam saber melhor o que usam. Mas o UFC também, tenho problemas com eles. Eles fazem coisas ruins tipo: você tem um atleta sob contrato, sem permissão de lutar em outro lugar. Ele está suspenso? Sim. Mas ele podia manter o ritmo ou talvez buscar trabalhar em outras áreas, mas não. Eles te prendem no contrato e no final da suspensão te dispensam, não concordo com a conduta deles”, concluiu Mir.

Vale ressaltar que em nenhum momento a USADA ou o atleta mencionaram o volume da substância proibida encontrada no teste antidoping de Frank Mir. Portanto, não há como traçar comparações com Jones nesse sentido. Quando foi flagrado, em julho de 2017, o nível de turinabol encontrado no organismo de ‘Bones’ também não foi divulgado pela agência antidoping.

No entanto, nos resultados dos testes mais recentes do campeão meio-pesado, foram flagrados apenas resquícios – picogramas (um milionésimo de micrograma) – da substância proibida, uma quantidade ínfima. Portanto, a USADA julgou que Jones não teria ganho de performance com o volume encontrado recentemente e liberou o atleta para competir.

Após ter pego o gancho de dois anos, Frank pediu para se desvincular do UFC e teve seu pedido atendido em julho de 2017. Um mês depois, o americano assinou com o Bellator, onde permanece em atividade desde então – embora sem o mesmo sucesso de outrora.

Veja outras notícias de MMA

Leia também