Francesa faz história novamente e se torna primeira árbitra a atuar em jogo das Eliminatórias

Nathalia Almeida
·1 minuto de leitura

Para todos nós que sonhamos e lutamos por um futebol mais igualitário, plural e democrático, os últimos dois anos têm sido de notícias valiosas no quesito arbitragem feminina. É fato que as barreiras e os preconceitos ainda existem mas, pouco a pouco, elas vão conquistando o espaço e a valorização que merecem. Stéphanie Frappart, da França, é um expoente dessa mudança de paradigma.

No dia 2 de dezembro do ano passado, a árbitra de 37 anos fez história ao se tornar a primeira mulher a conduzir uma partida de Champions Masculina, sendo escalada para o confronto entre Juventus e Dínamo de Kiev (UCR).

Frappart foi a primeira mulher a arbitrar jogo da Champions Masculina | Chris Ricco/Getty Images
Frappart foi a primeira mulher a arbitrar jogo da Champions Masculina | Chris Ricco/Getty Images

Neste fim de semana, a francesa foi além e quebrou mais um tabu histórico: escalada para a partida entre Holanda e Letônia, tornou-se a primeira mulher a conduzir uma partida masculina de Eliminatórias para a Copa do Mundo.

Em uma de suas redes sociais oficiais, a FIFA parabenizou a árbitra por mais um feito emblemático: "Stéphanie Frappart continua a fazer história! Parabéns por ser a primeira mulher a arbitrar uma partida masculina das Eliminatórias para a Copa do Mundo", publicou.

Frappart segue fazendo história | Soccrates Images/Getty Images
Frappart segue fazendo história | Soccrates Images/Getty Images

Há poucos meses, celebramos o fato de Edina Alves Batista e Neuza Back serem convocadas para atuar no Mundial de Clubes da FIFA. As brasileiras romperam barreiras de gênero e se tornaram as primeiras mulheres a conduzir uma partida de equipes masculinas chancelada pela FIFA.