França teme velocidade e ameaça de bola parada da Inglaterra nas quartas de final

Técnico da França Didier Deschamps

Por Rohith Nair

AL RAYYAN, Catar (Reuters) - A França terá que estar atenta quando enfrentar a Inglaterra nas quartas de final da Copa do Mundo, já que sua adversária tem jogadores capazes de prejudicá-los no contra-ataque e nas bolas paradas, disse o técnico Didier Deschamps nesta sexta-feira.

As equipes não se enfrentam em um grande torneio desde o empate na fase de grupos da Euro 2012, mas o foco tem sido o jogo entre dois países que compartilham uma rivalidade esportiva.

Deschamps, que venceu a Copa do Mundo com a França como jogador e técnico, disse que não vê muitos pontos fracos na seleção inglesa, mas que eles têm alguns "pontos um pouco menos fortes".

"O ritmo costuma ser uma das chaves - quando você é rápido, os adversários têm menos tempo para se organizar. Mas você precisa de mais do que apenas ritmo para marcar gols", disse Deschamps antes do jogo de sábado no estádio Al Bayt.

“Você pode parar muitas coisas, mas é muito difícil parar alguém muito rápido, especialmente nas transições."

"A Inglaterra é muito forte nas transições - mais da metade de seus gols vieram de contra-ataques rápidos. Mas eles também têm outras qualidades - eles têm habilidade técnica, capacidade de marcar gols e habilidade em lances de bola parada", completou.

Os holofotes estão em como o atacante Kylian Mbappé, artilheiro do torneio com cinco gols, se sairá contra a defesa da Inglaterra, com o lateral-direito Kyle Walker dizendo que contará com sua experiência de jogar contra o francês no passado quando eles se enfrentarem.

"Tenho certeza que a Inglaterra estará preparada para enfrentá-lo, mas Kylian pode fazer a diferença", disse Deschamps.

A França venceu a Copa do Mundo com uma campanha estelar na Rússia há quatro anos, mas o goleiro Hugo Lloris disse que é a seleção da Inglaterra que tem mais experiência em torneios do que os atuais campeões.

"Se compararmos os dois times, há mais jogadores ingleses aqui que estiveram na Copa do Mundo na Rússia do que jogadores da França", acrescentou Lloris.

(Reportagem de Rohith Nair em Al Rayyan)