França busca encontrar equilíbrio para duelo com a Tunísia

Técnico da seleção da França, Didier Deschamps, durante partida contra a Dinamarca na Copa do Mundo do Catar

Por Julien Pretot

DOHA (Reuters) - A França procurará encontrar o equilíbrio certo entre poupar jogadores e manter a intensidade de sua campanha na Copa do Mundo do Catar quando enfrentar a Tunísia na última rodada do Grupo D do Mundial na quarta-feira.

Os atuais campeões mundiais se classificaram para as oitavas de final com um jogo de antecipação após as vitórias por 4 x 1 contra a Austrália e por 2 x 1 diante da Dinamarca, e um empate com a Tunísia garantiria a eles a primeira colocação na chave.

Se terminarem em primeiro lugar, enfrentarão a equipe que terminar em segundo no Grupo C, que tem Argentina, Arábia Saudita, Polônia e México.

O treinador Didier Deschamps está pronto para descansar alguns de seus principais jogadores e dar minutos a alguns reservas no Estádio Cidade da Educação.

É de se esperar que Kylian Mbappé seja poupado e fique na reserva, mas a estrela francesa está perseguindo recordes no Catar e Deschamps poderia lhe dar algum tempo de jogo para ajudá-lo a ampliar a marca de sete gols marcados em Copas do Mundo --três deles neste Mundial.

Steve Mandanda deve começar no gol e Deschamps também pode querer dar a Jules Kounde algum tempo para se ajustar à posição de lateral direito após ele entrar no lugar de um decepcionante Benjamin Pavard no jogo contra a Dinamarca.

A maior decisão de Deschamps será se Raphael Varane joga ou não. O zagueiro central voltou de uma lesão no tendão para o segundo jogo e foi substituído no segundo tempo.

"Ainda não falei com o treinador sobre isso. Vamos pensar primeiro no que é melhor para a equipe, depois veremos o que é melhor para mim", disse Varane aos repórteres.

"O melhor é conseguir algum tempo de jogo, mas veremos com o treinador."

Os meio-campistas Aurelien Tchouameni e Adrien Rabiot provavelmente serão poupados, já que o papel que desempenham é o mais exigente fisicamente no sistema francês.

Com Lucas Hernandez excluído do torneio devido a uma grave lesão, seu irmão Theo é o único lateral-esquerdo de ofício que resta no plantel.

Deschamps poderia dar a Eduardo Camavinga uma chance na lateral-esquerda após o meio-campista do Real Madrid ter sido colocado lá em alguns amistosos contra equipes locais.

Na frente, Olivier Giroud poderia começar novamente depois de deixar claro que tem condições de jogar a cada quatro dias.

"Queremos sempre jogar muito. É necessário ver como nos sentimos fisicamente e o que o técnico tem em mente", disse Giroud, que se tornará o maior goleador de todos os tempos da França se marcar contra a Tunísia.

Ele está empatado em 51 gols com Thierry Henry como maior goleador da história da seleção francesa.

"Joguei 14 ou 15 partidas com o Milan, a cada três ou quatro dias. Eu mostrei que posso fazer isso. Não importa quem jogue, faremos tudo o que pudermos para estender nosso começo perfeito", disse.