Fraga se vê “com bem menos pressão” na luta pelo título com Serra: “Vou para o tudo ou nada”

FERNANDO SILVA
Grande Prêmio

Daniel Serra e Felipe Fraga. Os dois protagonistas do fim de semana da grande final da Stock Car, em Interlagos, disputam o título da temporada 2018. Atual campeão e líder do campeonato, Daniel chega à decisão com 297 pontos, 25 a mais que o jovem piloto da Cimed. Assim, o #29 da RC Eurofarma sequer precisa vencer: basta um quarto lugar neste domingo (9), mesmo que Fraga vença a prova, que vale pontuação dobrada. A quinta colocação para Serrinha só vale para Felipe em caso de vitória na pista onde venceu duas vezes, e em ocasiões especiais: a primeira, em 2014, com Rodrigo Sperafico na Corrida de Duplas, logo na sua estreia na Stock Car e, dois anos depois, a Corrida do Milhão que marcou a arrancada para o título de 2016.

Fraga já viveu o outro lado da moeda. No ano da conquista do título, o piloto criado no Tocantins chegou à etapa decisiva com 36 pontos de vantagem para Rubens Barrichello, com quem travou um grande duelo de gerações naquela temporada. Era Rubinho quem não tinha nada a perder. Em uma prova marcada pela chuva e a variedade estratégica em Interlagos, o veterano conseguiu terminar em segundo lugar. Mas Fraga, em décimo, levou a taça para casa e soltou o grito de ‘é campeão’, fechando 2016 com 14 pontos de vantagem.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Assim, ao comparar os dois momentos, 2016 e 2018, Fraga diz que se sente menos pressionado na decisão que se avizinha. “Corro com bem menos pressão. Já estive nessa posição dele [Serra], mas como ele também já teve no passado”, disse Felipe ao GRANDE PRÊMIO na última quinta-feira em Interlagos.

Fraga e Serra decidem o título da Stock Car em 2018 (Foto: Duda Bairros/Stock Car/Vipcomm)

Ainda que a rivalidade tenha sido acirrada depois do embate na corrida 1 da etapa de Goiânia, Fraga deixa claro seu respeito pelo adversário. “O Daniel é um ótimo piloto. Como falei em outras entrevistas, se tivesse uma equipe ele seria um dos caras que eu iria contratar, então vai ser muito difícil tirar o campeonato dele”, salientou.

“Mas a Stock Car é boa por isso, acontece coisa que a gente nunca prevê. Vai ser uma disputa muito bonita. Ele precisa chegar em quarto, não é um resultado muito fácil, apesar de as médias dele serem muito boas. Mas ser quarto lugar numa corrida da Stock Car não é fácil. Ele vai precisar ralar pra chegar onde precisa chegar, e a gente está lutando muito”, emendou Fraga, avisando que conta com seus companheiros de equipe para buscar o bicampeonato.

“Temos o Marcos Gomes, que vai estar muito rápido, o Cacá Bueno, o Lucas [Foresti]... Muita coisa pode acontecer. Vou ter de acelerar, tentar ganhar a corrida, e torcer, torcer para que aconteça alguma coisa boa para meu lado. É uma corrida que vale o dobro, então tem muitos pilotos querendo subir na tabela, a galera vai sair pra ‘se matar’ na pista. E acho que isso pode me favorecer porque o Daniel precisa fazer uma corrida na cautela, enquanto eu vou para o tudo ou nada porque quero sair daqui com o campeonato. Vamos ver”, complementou.

Fraga diz que está preparado para o que vier neste fim de semana e, mesmo ciente que o título não depende só das próprias forças, se mostra feliz por estar novamente em condições de chegar ao fim da temporada como um dos protagonistas.

“Estou pronto, estou pronto para ser campeão, estou pronto também se não der, não tem problema, estou feliz por chegar, no meu quarto ano na Stock Car [pela Cimed], e em dois anos disputando o título. Isso paga todo o esforço. Mas, lógico, quero muito dar o título para a equipe, vejo o quanto eles estão dedicados, como também está a equipe do Daniel. É aquilo: quem ganhar vai ser muito merecido”, concluiu o campeão de 2016, de olho no bi da principal categoria do automobilismo brasileiro.

O GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ a etapa final da Stock Car, Stock Light e Brasileiro de Marcas em Interlagos com Felipe Noronha, Fernando Silva e Rodrigo Berton.


Leia também