Fortaleza x Cuiabá: modelos de gestão distintos, mas que trazem resultados

·4 minuto de leitura


Fortaleza e Cuiabá se enfrentam pelo Brasileirão nesta segunda-feira (30), na Arena Castelão, no compromisso com modelos distintos de gestão nas duas equipes, porém com resultados que brilham os olhos dos dois torcedores.

Praticamente desde o início da competição na parte alta da tabela onde ocupa o terceiro lugar com 32 pontos, o Leão do Pici descarta virar empresa, pelo menos por enquanto. Já o Auriverde, que disputa pela primeira vez a elite, vê seu projeto de clube-empresa consolidado e servindo como referência para outras instituições.

>Aplicativo de resultados do LANCE! está disponível na versão iOS

Apesar de elogiar a aprovação do clube-empresa no Senado, Marcelo Paz entende que esse modelo, hoje, está descartado no Fortaleza.

- Acredito que todos os modelos são sempre bem vindos, desde que tenham boa gestão. Hoje, o Fortaleza não tem a intenção de virar S/A. Temos uma gestão com dirigentes remunerados, planejamento estratégico periódico e profissionais contratados para todos os departamentos. É um clube associativo com modelo empresarial - explicou.

De acordo com a 12ª edição da Análise Econômico-Financeira dos clubes brasileiros de futebol, desenvolvida pelo Banco Itaú, o Fortaleza foi qualificado como um clube de boa gestão. No cenário nacional, sete clubes representaram 62% do total de receitas, e dentro do recorte de 21 times, o clube surgiu em 17º colocado.

- Tem capacidade de entender suas limitações financeiras, o que ajuda na gestão eficiente do caixa, assim, enfrentou a pandemia de forma segura, sem dívidas relevantes, operando dentro do que as receitas permitem. Fechou 2020 com condição acima da média dos clubes brasileiros - apontou o relatório.

Durante a pandemia, o Fortaleza conseguiu lidar com o equilibrio mesmo perdendo milhões em receitas de bilheteria e sócio-torcedor. Em 2020, teve um déficit na casa de 30 milhões, saindo de R$ 120 milhões de receita bruta para R$ 86 milhões. Apesar da redução de custos no departamento de futebol, todo o quadro de funcionários foi mantido.

Há pouco mais de dois anos, o Fortaleza aprovou por unanimidade a remuneração de seus dirigentes, e, na época, o presidente Marcelo Paz deixou claro que essa medida fazia parte do processo de profissionalização do clube. Após isso, foram qualificados todos os departamentos e uma ampla reforma do centro de treinamento, tudo isso refletindo em vitórias também dentro de campo.

- Cada clube sabe o que é melhor para ele, e com certeza o modelo de S/A pode ser um salto considerável para algumas instituições, pois pode atrair o investidor e usar esse dinheiro de imediato. Mas tudo vai depender de uma boa gestão - acrescentou.

Já o Cuiabá viu no modelo de sociedade anônima a chave para o sucesso. De forma meteórica, chegou pela primeira vez à Série A em 2021 e vem fazendo um campanha considerada surpreendente, chegando 20 pontos na classificação e tendo batido, nas duas últimas rodadas, Athletico-PR e Palmeiras.

O atual modelo de gestão do clube, dono de vários acessos e domínio estadual, surgiu por meio da família Dresch, proprietária da Drebor, empresa fabricante de materiais e tecnologias para recapagem de pneus, fundada em 1989.

A empresa se aproximou do clube em 2003 para ser patrocinadora da equipe dois anos depois de o time ser fundado em 2001 por Luís Carlos Tóffoli, o Gaúcho, ex-atacante de Flamengo, Palmeiras e Grêmio que faleceu no ano de 2016 vítima de câncer de próstata. Em 2009, a família Dresch comprou o Cuiabá e a responsabilidade das áreas administrativas e do futebol está nas mãos de Cristiano e de seu irmão, Alessandro Dresch, presidente do clube.

- A transformação dos clubes em empresa é um processo sem volta e no qual estamos há décadas atrasados quando olhamos para o que ocorre na Europa e Estados Unidos. O modelo atual, de associação, é comprovadamente falido e para isso basta ver a situação de vários grandes clubes do futebol brasileiro. O Cuiabá é constituído como sociedade empresária há vários anos e, por isso, pode-se dizer que é um dos precursores deste movimento que agora tende a ganhar força - opina Eduardo Carlezzo, advogado especializado em direito desportivo.

Na Europa, é válido dizer que 90% dos times das primeiras divisões das cinco principais ligas já adotam o modelo de clube-empresa. No Brasil, apenas Cuiabá e Red Bull Bragantino já possuem esse sistema consolidado.

- Ambos são fundamentais para o desenvolvimento do futebol profissional. Como em qualquer empresa, o patrimônio investido pelos sócios responde pelas falhas da gestão. Esse é o maior incentivo para eficiência. O clube pode pensar em abrir capital e atrair investimentos com segurança jurídica, enquanto clubes associativos têm muita dificuldade para planejamento de médio e longo prazo pela instabilidade de eleições periódicas em que compromissos da gestão anterior muitas vezes são descumpridos sem nenhuma grande consequência, além do aumento da fila de credores - complementa Pedro Trengrouse, advogado e especialista em gestão esportiva pela FGV.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos