De forma inédita, Conselho rejeita as contas da gestão de Vitorio Piffero

Clube pode até ser excluído da Série B. Ex-presidente colorado corre risco de ser suspenso

Na noite dessa segunda-feira o Conselho Deliberativo do Internacional rejeitou as contas de 2016 do clube, ainda na gestão do ex-presidente Vitorio Piffero. Após recomendação do Conselho Fiscal, os conselheiros colorados reprovaram, de maneira inédita, as contas de um ano do clube. No estatuto do Inter, não há punição por reprovação de contas, desde que seja não seja comprovada uma improbidade administrativa.

Por questão de saúde - Piffero chegou a ser internado no fim de semana, por causa de uma arritimia cardíaca- o ex-presidente do Colorado não compareceu a sessão, e foi representado por Sandro Farias, que apresentou as contas. Candidato derrotado nas eleições de 2016, e Vice-Presidente de Finanças do Inter também no ano passado, Pedro Affatato colocou a queda para a segunda divisão como motivo para ato inédito no Conselho do clube:

- Isso é efeito da segunda divisão. Questão política. Estamos pagando o preço de participar de uma gestão que caiu para a segunda divisão. Não discordo de nada. O Conselho Fiscal é soberano. Fez o relatório em cima das suas convicções.

Agora, será aberta uma sindicância para investigar as falhas do balanço contável do Internacional. Sobre isso, o presidente do Conselho Fiscal, Geraldo Da Camino, evitou falar muito sobre os próximos passos do processo:

- As sindicâncias são acessórias nesse sentido. Não falo em consequências por ora.







E MAIS: