Formação, meio de campo e ânimo: o que mudou no São Paulo com a chegada de Rogério Ceni?

·3 min de leitura


A chegada de Rogério Ceni ao comando do São Paulo surtiu efeito nos dois primeiros jogos do treinador em sua segunda passagem pelo Tricolor. Com dois resultados que não traduziram fielmente as boas atuações do time, o técnico mudou pontos importantes e subiu o rendimento da equipe. O nível das atuações passam muito pelas mudanças táticas do treinador, mas também estão ligadas a aspectos emocionais.


CONFIRA A TABELA ATUALIZADA E SIMULE OS JOGOS DO BRASILEIRÃO DE 2021!

Taticamente, Rogério Ceni promoveu algumas mudanças no time titular. Sem contar com Rigoni e Luan, o treinador optou por uma formação com Luciano e Calleri como dupla de ataque. Assim, o São Paulo foi escalado em um 4-1-2-1-2.

Em momentos ofensivos, Liziero fica mais recuado no meio de campo, enquanto Igor Gomes apoia mais o ataque pela direita, fazendo dupla com Gabriel Sara, na esquerda, e um pouco atrás de Benítez, que cria as jogadas logo atrás da dupla de ataque. O time conta, ainda, com as subidas dos laterais Orejuela e Reinaldo.

Com um meio de campo jovem que contém três atletas da base, com Liziero, Igor Gomes e Gabriel Sara, o time ganha maior agilidade e intensidade, seja na pressão pós-perda quanto na criação. Igor Gomes talvez seja o melhor exemplo disso, pois mudou de característica nas últimas duas partidas, ocupando mais setores no meio de campo e se envolvendo mais com a marcação.

O próprio treinador reconheceu a questão da idade como fundamental para a intensidade do time. Na coletiva após o Majestoso, Ceni comentou sobre os jovens sendo fundamentais para o funcionamento do meio de campo.

- Meu meio campo é a energia desse time. Liziero, Igor Gomes e Sara é o motor do time. Tem força física, são jovens, tem fome. Ajudam a servir Benítez, Luciano e Calleri - explicou o treinador.

Embora a questão tática seja fundamental para a melhoria do time, o anímico talvez tenha sido o principal trunfo nas duas últimas partidas do São Paulo. A chegada do novo treinador foi de forte contribuição para gerar maior entrega no elenco, que, segundo Liziero, dá maior motivação. O meia citou as novas táticas como outro motivo para a maior intensidade

- Eu acho que são os dois, a chegada do treinador Rogério dá uma motivação a mais para a toda equipe e as alterações, o estilo de jogar, muda e surte efeito. Então a gente sabia que clássico não é só parte técnica, tem que ter, também, uma parte mais agressiva e o time soube demonstrar nos momentos que precisava e teve mais intensidade que o adversário - contou Liziero.

Assim, o aumento da intensidade e da entrega do time dentro de campo são fatores cruciais para entender o crescimento do rendimento do São Paulo. A presença da torcida é determinante para isso, pois motiva e empurra os jogadores. Vale lembrar que, em seu primeiro jogo com a torcida no Morumbi, Hernán Crespo conseguiu uma boa performance, apesar do resultado ruim diante do Santos. Na ocasião, o time já teve mais intensidade.

Com mudanças táticas e uma injeção de ânimo, o São Paulo teve dois bons jogos com o comando de Rogério Ceni. Apesar dos desfalques, o treinador conseguiu, neste início de trabalho, montar um time intenso e equilibrado.

O próximo jogo é mais um desafio. O São Paulo entra em campo no próximo domingo (24), às 18h15, no estádio Nabi Abi Chedid, para enfrentar o Red Bull Bragantino, pela 28ª rodada do Brasileirão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos