Fora das semifinais, Brasil tem pior resultado da história no vôlei de praia feminino em Olimpíadas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Ana Patrícia e Rebecca se despediram de Tóquio nas quartas (Sean M. Haffey/Getty Images)
Ana Patrícia e Rebecca se despediram de Tóquio nas quartas (Sean M. Haffey/Getty Images)

A derrota para as suíças Vergé-Depré e Heidrich eliminou a dupla formada por Ana Patrícia e Rebecca nas quartas de final do vôlei de praia feminino na Olimpíada de Tóquio e decretou o pior resultado do Brasil na modalidade na história dos Jogos.

Ana Patrícia e Rebecca ficaram fora da disputa por medalha, a exemplo da outra dupla brasileira. Ágatha e Duda caíram uma fase antes, nas oitavas de final, derrotadas pelas alemãs Ludwig e Kozuch.

Leia também:

Com a queda de todas as suas representantes, o Brasil fica sem duplas nas semifinais do vôlei de praia feminino olímpico pela primeira vez.

Até então, o pior resultado brasileiro havia acontecido em Pequim-2008, quando Talita e Renata terminaram na quarta colocação. Em todas as outras cinco edições do vôlei de praia nos Jogos, as mulheres do país conseguiram ao menos uma medalha.

O melhor resultado aconteceu logo na primeira edição, em Atlanta-1996, quando Jacqueline e Sandra foram ouro, e Mônica e Adriana terminaram com a prata. Quatro anos depois, novamente duas medalhas: prata para Adriana Behar e Shelda, bronze para Sandra e Adriana Samuel.

Em Atenas-2004, Adriana Behar e Shelda repetiram o feito e ficaram com a prata. Larissa e Juliana terminaram com o bronze em Londres-2012, enquanto Ágatha e Bárbara Seixas foram prata no Rio, em 2016.

O vôlei de praia brasileiro, aliás, respira em Tóquio com apenas um representante. Alisson e Álvaro Filho estão nas quartas de final entre os homens e enfrentam os letões Plavins e Tocs, que eliminaram nas oitavas Evandro e Bruno Schmidt.

Caso vençam, os brasileiros seguirão vivos na disputa por medalhas e poderão evitar o pior resultado da história do país na modalidade em ambos os gêneros. Afinal, seria a primeira vez que o vôlei de praia do Brasil terminaria uma Olimpíada sem medalha.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos