Fluminense: veja a experiência de Libertadores dos jogadores do pacotão de reforços

Bruno Marinho
·2 minuto de leitura

Foram quatro contratações de uma vez, que prometem movimentar o elenco do Fluminense. O clube finalizou nesta segunda-feira as chegadas de Cazares, Abel Hernández, Bobadilla e Manoel de olho na Libertadores.

Os reforços estão todos na casa dos 30 anos e chegam para encorpar o elenco para a disputa da competição internacional e trazem na bagagem diferentes histórias no principal torneio de clubes do continente.

A estreia tricolor acontecerá dia 22, contra o River Plate, no Rio.

Cazares

O meia equatoriano, bom na bola parada, disputou a primeira Libertadores em 2016, com o Atlético-MG. Chegou até às quartas de final sendo um dos titulares da equipe. No ano seguinte, mais uma participação no currículo, dessa vez interrompida nas oitavas de final. Foram cinco gols marcados.

Em 2019, a terceira Libertadores da carreira, com uma eliminação ainda na fase de grupos, novamente com o Galo. O jogador tem passagens por River Plate, Independiente del Valle e Barcelona (EQU), que rendem experiência em jogos fora do Brasil.

Abel Hernández

Vindo do Internacional, o centroavante de área deve ser o reserva de Fred. Apesar da experiência acumulada aos 30 anos, disputará apenas sua segunda Libertadores. Ano passado, com o colorado, o uruguaio foi reserva na campanha durou até as oitavas de final e fez dois gols.

A tendência é que seja uma opção para Roger Machado poupar Fred para os jogos mais importantes. Deve ajudar o tricolor ao fazer com que, ao entrar, o estilo de jogo da equipe não mude tanto.

Bobadilla

Atacante de 33 anos, tem longa passagem pelo futebol europeu, mais precisamente Suíça, Alemanha e Grécia. Foi conhecer a Libertadores quando retornou ao futebol sul-americano, para defender o Guaraní, do Paraguai.

De volta ao país de origem, o paraguaio parou nas oitavas de final da Libertadores do ano passado, eliminado pelo Grêmio. No total, disputou dez partidas e fez três gols. Voltou a jogar a competição esse ano, ainda pelo Guaraní. Foram quatro partidas e nenhum gol na classificatória para a fase de grupos.

Manoel

O zagueiro é um veterano da competição. Disputou pela primeira vez a Libertadores em 2014, ainda com o Athletico, clube que o revelou. Parou na fase de grupos e logo depois da eliminação seguiu para o Cruzeiro, onde viveu o auge da carreira.

Com a Raposa, encarou a Liberta mais uma vez, em 2015, e foi eliminado nas quartas de final, sempre como titular. Em 2018, a terceira Libertadores do currículo, novamente com derrota nas quartas de final. Aos 31 anos, chega para reforçar o setor que tem Luccas Claro como referência.