Fluminense melhora com Marcão, mas é castigado em chance perdida por Biel e problemas ofensivos

·3 minuto de leitura


Eliminado na Libertadores, mal no Campeonato Brasileiro e com a demissão de Roger Machado, o Fluminense precisava reagir. Seja na forma de se comportar em campo ou apenas nos resultados. O que se viu no empate por 1 a 1 com o Atlético-MG, líder da competição, foi um time mais consciente, mas ainda com dificuldades no setor ofensivo. O castigo pelo segundo fator veio já na reta final, quando Gabriel Teixeira perdeu a melhor chance e Eduardo Sasha igualou o marcador em seguida.

+ ATUAÇÕES: Fred iguala recorde, André comanda o Fluminense e Gabriel Teixeira é destaque negativo em noite de erros

Dentro de sua proposta de jogo, o Flu foi bem e saiu com um gosto amargo de quem poderia ter voltado a conquistar os três pontos. Com menos posse de bola e mais reação, o Tricolor teve agressividade na marcação e cumpriu o papel tático desenhado por seu novo treinador, que ainda não deixou claro se vai optar por ter mais ou menos o controle ao longo do trabalho.

- Vimos o jogo do Atlético-MG contra o River Plate, que tentou marcar na primeira linha e foi o melhor jogo deles na competição. Sabemos que um ponto muito forte do Atlético é a transição em velocidade, então foi importante quebrar isso. Arriscamos um pouco estrategicamente de abaixar e atacar por dentro - disse Marcão em entrevista coletiva.

Veja a tabela do Brasileirão

Fato é que o ídolo do Fluminense apostou novamente em Lucca, que terminou a temporada passada como titular sob seu comando. Ele e Luiz Henrique se empenharam na marcação e foram importantes para anular o Galo, mas o que chama a atenção no caso do jovem é o mesmo problema de Gabriel Teixeira, que foi opção no segundo tempo: a tomada de decisão. Esforçados, os dois ainda mostram que precisam evoluir, como é natural pela idade.

No setor ofensivo, Fred ainda aparece bem menos do que fazia nos melhores momentos com Roger, mas chama a responsabilidade ao acertar as cobranças de pênalti, por exemplo. O capitão mostra suas virtudes ao segurar mais a bola e chamar a marcação, mas ainda é uma área onde Marcão precisará trabalhar para que o Fluminense não crie apenas uma chance de matar o jogo, mas várias - e as acerte.

ANDRÉ É O DESTAQUE

Se alguns jovens ainda precisam melhorar certos aspectos, André mostra a tranquilidade de um veterano. Próximo de deixar o clube no início da temporada por estar sem espaço, o jogador voltou a jogar há pouco mais de dois meses apenas, mas mostra como o Fluminense perdeu tempo ao deixá-lo fora. Seguro e consciente nas ações, ele foi o destaque do time no empate.

A titularidade, que chegou ao terceiro jogo consecutivo, parece ser o caminho natural para o jovem de 20 anos. Assim como Martinelli fez na última temporada, André corresponde no momento em que o Flu encontrava mais dificuldades e agrega valor ao novo trabalho que se inicia.

- É um caso especial. Em algum momento até dele mesmo houve dúvida, mas ele correu atrás, trabalhou demais e mostrou que tem a capacidade de ficar no grupo e só queria uma oportunidade de mostrar novamente o que fez na base. Hoje ele está em um grande momento e nós só temos que aproveitar - afirmou Marcão.

Com o resultado, o Fluminense chega aos 18 pontos, mas cai para a 16ª posição no Brasileirão, apenas dois pontos a frente do Grêmio, que abre a zona de rebaixamento. Na próxima quinta-feira, as equipes voltam a se enfrentar, desta vez pela Copa do Brasil, às 21h30, no Estádio Nilton Santos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos