Fluminense deposita primeira parcela do plano de pagamento de dívidas

Fluminense segue o plano de pagamento dos credores (Foto: Mailson Santana/Fluminense FC)


O Fluminense divulgou nesta sexta-feira que quitou a primeira parcela do plano de pagamento aos credores junto ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) e ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT1). O valor de R$ 1,5 milhão foi depositado em juízo e será repassado pela Justiça de acordo com a ordem de pagamento estabelecida na fila dos credores do plano. Desse modo, todos os processos em fase de execução seguem suspensos.

Do montante, R$ 1,2 milhão será destinado ao pagamento de dívidas trabalhistas, enquanto os demais R$ 300 mil serão repassados para as dívidas cíveis. O plano dá sustentação ao Regime Centralizado de Execuções (RCE), que tem como base a Lei n. 14.193, de 6 de agosto de 2021.

De acordo com o planejamento previamente alinhado com os credores, o clube realizará depósitos mensais nos respectivos juízos centralizadores, destinando também um valor fixo anual para a liquidação gradativa do débito, com a possibilidade ainda de propor aos credores um valor para a quitação antecipada da dívida àqueles que oferecerem maior desconto. A iniciativa foi apresentada em detalhes aos representantes dos credores nas esferas trabalhista e cível antes de ser protocolada no Poder Judiciário.

Veja a tabela da Série A do Brasileirão

- Este é um passo muito importante, embora o caminho ainda seja longo. O plano vai equacionar cerca de um terço da dívida total do clube. Isso vai nos oferecer uma estabilidade inédita, que será fundamental neste processo de reconstrução que estamos atravessando. A elaboração do plano é fruto de muito trabalho, que contou com o esforço dos departamentos jurídico, financeiro e de relações institucionais - disse o presidente Mário Bittencourt.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos