Flordelis explica ausência em votação da prisão de Daniel Silveira: "Sequelas de AVC"

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Flordelis (Foto: Claudio Andrade/ Câmara dos Deputados)

A deputada federal Flordelis, suspensa pelo PSD após ser apontada como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, não participou da votação na Câmara a respeito da prisão do parlamentar bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ), na última sexta-feira (19). A assessoria da deputada diz que ela sofreu um “mal súbito”.

“Por força de todo nervosismo com minha situação jurídica e política atual e do estresse que o momento me ocasiona, fui tomada por um mal súbito (ainda sequelas de um AVC), que me obrigou a buscar ajuda médica no dia de hoje. Assim, não me foi possível participar da votação sobre o deputado Daniel Silveira”, afirmou Flordelis em nota.

Leia também

“Me coloco integralmente em respeito a todos os procedimentos que levem a realização de Democracia e Justiça, para nossa Nação. Tenho fé nesta Justiça, no povo e principalmente em Deus! Confio que a Casa será fiel a esses princípios e saberá construir a melhor política para o país”, complementou a deputada.

A Câmara dos Deputados manteve, por 364 votos a favor, 130 contra e 3 abstenções, a detenção de Daniel Silveira, preso em flagrante na última terça após ter publicado um vídeo insultando, de forma violenta, ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), sinalizou nos últimos dias que a Casa manteria a prisão. Líderes do Centrão concluíram que não valia a pena comprar uma briga com a Corte em função do bolsonarista, considerado radical e isolado em suas posições. A oposição também se uniu contra ele.

Lira chegou a tentar convencer o relator do caso no Supremo, o ministro Alexandre de Moraes, a relaxar a prisão para que a Câmara não tivesse que decidir sobre o assunto. A tratativa não teve sucesso. A Mesa Diretora da Câmara enviou uma representação ao Conselho de Ética da Casa pedindo a cassação do deputado.

No relatório aprovado pela Câmara, foi incluído um pedido para o Supremo "reexaminar a necessidade da excepcional e gravosa medida de prisão". A previsão é de que Alexandre de Moraes relaxe a pena no futuro próximo, impondo alguma medida cautelar, como uso de tornozeleira.

Nos discursos que antecederam a votação, Daniel Silveira se disse arrependido e pediu desculpas por ter ofendido ministros do Supremo e incitado violência física contra eles. Silveira disse ainda que o STF é "uma instituição muito importante".