Flamengo reforça time olímpico com a maior medalhista brasileira em Jogos Pan-Americanos na natação

LANCE!
·2 minuto de leitura


A nadadora Larissa Oliveira acertou com o Flamengo ENS e irá defender as cores do Rubro-Negro em 2021. A atleta de 27 anos é 13 vezes recordista sul-americana e a maior medalhista do Brasil em Jogos Pan-Americanos, com dez idas ao pódio. Ela também sagrou-se campeã mundial em 2014, no revezamento misto, e tem uma prata e um bronze na competição.

Larissa busca repetir o feito de 2016, quando se classificou para os Jogos Olímpicos do Rio. Em abril, ela disputa o Troféu Brasil Maria Lenk atrás de uma vaga em Tóquio.

- Eu quero poder ter condições de treinar pesado e poder brigar pela minha segunda Olimpíada. Dando tudo certo, a expectativa é de uma final olímpica e, quem sabe, poder brigar por uma medalha - disse a nadadora, explicando a razão de ter decidido assinar com o Flamengo ENS.

- Ano passado foi muito difícil, totalmente atípico, era um ano olímpico e todo esse cenário mexeu muito comigo, com todos na verdade. Então me fez pensar em buscar alguma mudança para melhorar meus resultados e desempenhos. Recebi a proposta do Flamengo, fui muito bem recebida e vi que o clube está muito bem estruturado e com o mesmo pensamento que o meu de obter resultados olímpicos. Estou muito motivada e empolgada para essa temporada e quero muito conseguir o índice. Além disso, quero muito poder ajudar o clube nas competições, ajudá-lo a se manter entre os melhores do Brasil.

Ela falou ainda sobre o sentimento de vestir a camisa e defender seu clube de coração.

- É uma honra estar representando o Flamengo, eu sou flamenguista e mal posso esperar para poder competir e contar com a torcida da Nação Rubro-Negra, afinal, é impossível ter uma emoção e um incentivo melhores do que umas das maiores do mundo torcendo por mim - disse a atleta.

No Mundial de piscina curta, Larissa conquistou um ouro (4x50m medley) e um bronze (4x50m livre) em Doha, em 2014, e uma prata em Windsor (4x50m medley), em 2016. Nos Jogos Pan-Americanos, ganhou dois bronzes e uma prata em Toronto 2015. Em Lima 2019, foram sete pódios, incluindo o ouro no revezamento 4x100m medley misto. Com 10 medalhas, ela superou Joanna Maranhão e Tatiana Lemos e se tornou a maior medalhista do Brasil nos Jogos.