Flamengo leva três do Athletico, é eliminado da Copa do Brasil e vê torcida xingar Renato e pedir Jesus

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
RIO DE JANEIRO, BRAZIL - OCTOBER 27: Nikao (L) of Athletico Paranaense celebrates with David Terans after scoring the first goal of his team during a match between Flamengo and Athletico Paranaense as part of Copa do Brasil Semi-Finals 2021  at Maracana Stadium on October 27, 2021 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Buda Mendes/Getty Images)
Nikão e Terans comemoram o primeiro gol do Athletico no Maracanã (Foto: Buda Mendes/Getty Images)

Diante de um Maracanã efervescido por 30 mil pessoas, o Athletico abalou o estádio depois de suportar a pressão de um time perdido, venceu por 3 a 0 e eliminou o Flamengo, com gols de Nikão (2) e Zé Ivaldo, na noite desta quarta-feira, pela volta das semifinais da Copa do Brasil. Enfurecida, a torcida mandante terminou a partida xingando Renato Gaúcho e pedindo a volta de Jorge Jesus. O Furacão, agora, irá enfrentar o Atlético-MG na decisão do torneio.

VAR CHAMA: PÊNALTI (E GOL)

A partida nem precisou de um pretexto para ser ligado em 220v. Desde o minuto inicial, com muita falação e jogadas truncadas, o jogo foi nervoso, e o Athletico soube aproveitar a ansiedade do outro lado. Ainda aos 9', o time de Valentim roubou a bola no meio (de Diego) e avançou em bloco até parar no área, com pênalti de Filipe Luís em Kayzer. O lance só foi assinalado após recomendação do VAR, e Nikão deixou os visitantes na frente logo cedo. 

Leia também:

VAR CHAMA: NADA DE PÊNALTI

O VAR voltou a chamar um perdido Wilton Pereira Sampaio, que marcou pênalti inexistente em Bruno Henrique minutos depois. A marcação foi cancelada, porém ficou marcada por mais um lance que triturou outro jogo pobre do Flamengo - e de ampla vantagem tática do Athletico, que por vezes posicionava seis marcadores na primeira linha de defesa. Nada se criava em meio a uma embromação que culminou em dez minutos de acréscimo, por exemplo.

FRANGO ENQUANTO PASSA O FURACÃO

Mas o Athletico não fez apenas cera. Teve o mérito de se atirar em contragolpes e encontrar latifúndios no frágil sistema defensivo do Flamengo. Nikão e Renato Kayzer trocaram passes, alguns jogadores do Rubro-Negro carioca "largaram" à espera de uma marcação do VAR, e o camisa 11 aproveitou o espaço para finalizar, sendo feliz contando com um frango inexplicável de Diego Alves, pouco antes do intervalo: 0x2. Andreas ainda perdeu um gol da marca da cal, após boa jogada de Isla e Everton Ribeiro pela direita, o que deixou a torcida ainda mais desesperada no intervalo.

SANTOS FEZ O SEU NOME

Flamengo voltou para o segundo tempo para o tudo ou nada. Não era para menos. Michael entrou na vaga de Diego e acendeu o time de Portaluppi com diversas boas jogadas individuais. Em uma delas, saiu da ponta esquerda para direita passando por meio time e parou em Santos, que passou a alçar o seu nome ao protagonismo enquanto os mandantes estavam no abafo e pilhavam jogadores à frente da área rival. Faltava inspiração, sobrava transpiração. 

ATHLETICO COM UM A MENOS E... GOL DO FURACÃO

Com metade do time de linha modificado ainda cedo, a organização do Flamengo ficou em segundo (terceiro, quarto...) plano. Por vezes, o Fla tinha cinco atacantes, enquanto o Athletico pouco tinha tempo para sair de trás e respirar. Isso não resultou em gol, para desespero dos cariocas, que ainda jogaram por cerca de 15' com um jogador a mais, já que Khellven foi expulso quatro depois de ser acionado por Valentim. E saiu gol, mas do Athletico. Em contragolpe de almanaque, já no final, Zé Ivaldo recebeu de Pedro Rocha e definiu o marcador. 

TORCIDA XINGA RENATO E PEDE MISTER

Ainda antes do terceiro gol atleticano, a torcida começou a cantar em uníssono "Olê, olê, olê, Mister, Mister (em alusão a Jorge Jesus)" e a xingar Renato Gaúcho, que ficou incólume à beira do campo. Por fim, enquanto o Athletico vibrava até o apito final, as arquibancadas ainda entoaram o grito de "time sem vergonha". Vaga mais do que merecido para os letais paranaenses. 

FICHA TÉCNICA
Flamengo x Athletico-PR - Jogo de volta das semifinais da Copa do Brasil

Data e horário: 27/10/2021, às 21h30 (de Brasília)
Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Fifa/GO)
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa/GO) e Bruno Raphael Pires (Fifa/GO)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Gramado: irregular
Público/renda: 29.549 vendidos / 31.586 presentes / R$ 2.967.490,00
Cartões amarelos: Willian Arão, Kenedy (FLA) / Erick, Renato Kayzer (CAP)
Cartões vermelhos: Khellven (CAP)

GOLS: Nikão, 9'/1ºT (0-1), 52'/1ºT (0-2); Zé Ivaldo, 43'/2ºT (0-3)

FLAMENGO (Técnico: Renato Gaúcho)

Diego Alves; Isla (Matheuzinho, 30'/2ºT), Rodrigo Caio, Léo Pereira e Filipe Luís (Ramon, 22'/2ºT); Willian Arão (Vitinho, 30'/2ºT), Diego (Michael, intervalo), Andreas Pereira e Everton Ribeiro (Kenedy, 30'/2ºT); Bruno Henrique e Gabigol.

ATHLETICO-PR (Técnico: Alberto Valentim)

Santos; Pedro Henrique (Zé Ivaldo, 31'/2ºT), Thiago Heleno e Nicolás Hernández; Marcinho (Khellven, 31'/2ºT), Erick, Léo Cittadini e Abner; Terans (Pedro Rocha, 22'/2ºT), Nikão e Renato Kayzer (Christian, 22'/2ºT).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos