Flamengo e Santos na Fifa por Gabigol: alvinegro cobra dívida

Goal.com

Santos e Flamengo estão na Fifa com uma briga judicial referente à compra de Gabigol. Menino da Vila, o Alvinegro Praiano cobra cerca de 600 mil euros (R$ 3,6 milhões) do clube carioca pelo mecanismo de solidariedade da entidade máxima do futebol.

Gabigol não tinha nenhum vínculo com o Santos quando foi comprado pelo Flamengo no começo do ano. Ele era jogador da Inter de Milão e estava emprestado ao Flamengo na temporada passada, onde conquistou a Libertadores e o Campeonato Brasileiro.

O Rubronegro pagou 16 milhões de euros ao time italiano. Pelo mecanismo de solidariedade da Fifa, o Santos tem direito à 3,71% deste valor. De acordo com o Uol, o Alvinegro foi à Fifa para obter o seu dinheiro, já que o clube carioca já pagou algumas parcelas à Inter de Milão.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

"O Santos cobra o Flamengo, que não pagou o mecanismo de solidariedade do Gabigol. Eles não pagaram. Já venceu a segunda prestação", disse Pedro Doria, membro do Comitê de Gestão do Santos em entrevista ao jornalista Jorge Nicola.

"Entramos, primeiramente, com um processo de instrução na Fifa, para receber o contrato e entender quanto de fato é devido. Tivemos acesso aos números e, agora, como eles já pagaram duas prestações (para a Inter de Milão) e não fizeram o pagamento para nós, fomos à Fifa", completou.

O Santos está confiante que conseguirá um acordo com o Flamengo já que os cariocas, recentemente, quitaram algumas dívidas, como a que devia ao Athletico pela compra do zagueiro Leo Pereira. "Fizemos uma reclamação na Fifa e, a partir daí, vai se iniciar um processo de instrução na Fifa. O Flamengo deve fazer um acordo, até porque não é um valor expressivo... São quase 600 mil euros", disse Doria.

No entanto, o Flamengo alegou que está com problemas na receita desde a paralisação do futebol nacional por causa do coronavírus. Com jogadores treinando, desrepeitando as normas da prefeitura do Rio de Janeiro, o Rubronegro foi multado por não autorizar a entrada de funcionários da Vigilância Sanitária no Ninho do Urubu.

Leia também