O Flamengo que o mundo vai ver, menos o Brasil

Mauro Beting
·2 minuto de leitura

Hoje! Flamengo com novo patrocínio na camisa que vale no mínimo 32 milhões de reais por ano x Boavista! Transmissão para todo mundo via internet. Menos para o Brasil, que vai ter de acompanhar só o aúdio, ou o minuto a minuto...

O mundo anda mesmo muito complicado.

Em 1919, os repórteres no estádio das Laranjeiras ligavam para as redações dos jornais que, então em grandes cartazes, anunciavam o desenrolar do longo Brasil 1 x 0 Uruguai para a turba ainda sem rádio, mas então celebrando o primeiro título da Seleção (o Sul-Americano de 1919).

Em 1958, um grande painel de lâmpadas no centro de São Paulo se baseava na transmissão de rádio na Suécia para ir acendendo as luzes que indicavam onde estava a bola nos jogos do Brasil campeão mundial pela primeira vez. Exatos 20 anos depois do primeiro Mundial transmitido pelo rádio. E por um único radialista: Gagliano Neto, “membro” da delegação brasileira na Copa de 1938, na França.

Em 1970 quase todos os 90 milhões em ação viram o tri no México na primeira Copa ao vivo pela televisão. Alguns abastados felizardos viram em cores nos raros aparelhos coloridos. Em 1974, já tinha TV em cores para dar com Pal-M (nosso sistema).

Em 2006 o Bandsports transmitiu em HD. Em 2010 era possível ver alguns jogos no estonteante (para pior) 3D.

Sei lá como e quando vai ser em 2022. Se será em 2022. Se será no Qatar.

Mas tudo isso era para desviar o assunto. Porque hoje tem o campeão da América e do Brasil e mais do que provável campeão do Rio em 2020 (e do que mais vier em 2020, se vier em 2020) passando na plataforma My Cujoo.

Para todo o mundo, menos para o Brasil.

Sou do tempo em que um jogo passava para todo o Brasil, menos para a cidade onde ele estava acontencendo para não tirar público do estádio.

Agora já não tem público - por ora, porque se fossem por cartolas e políticos, teriam 600 mil pessoas no Maracanã ao lado do hospital de campanha...

Mas ainda não houve entendimento do Flamengo com o Grupo Globo. Eles que se entendam - mesmo, para o bem da maior torcida, e de quem gosta do excelente futebol do melhor time que vi neste século no Brasil.

E que hoje o Brasil não poderá mais uma vez ver.

Mas agora, pelas confusões da MP das transmissões, não sabemos mais nada.

Só que o mundo verá o que não podemos ver.