Flamengo: Diego Alves mira alto e se declara aos rubro-negros

Contratado pelo Flamengo, Diego Alves foi apresentado oficialmente nesta segunda-feira (17) na sede da Gávea e falou sobre diversos assuntos.  No geral, o tom foi de otimismo em vestir a camisa rubro-negra e participar de um elenco que vem se mostrando cada vez mais forte.

Além disso, Diego Alves também falou sobre a belíssima carreira que construiu na Espanha. O novo goleiro rubro-negro assinou contrato até 2020 e ainda não tem um número definido. Abaixo, confira os principais momentos da apresentação!

Diego foi quem buscou o Fla, e recusou propostas da Europa!

“Viemos semanas difíceis de negociação. O presidente também comentou. Queria agradecer a todas as partes que fizeram com que esse sonho pudesse acontecer. Eu, quando tive esse primeiro contato com o Flamengo, tinha outras propostas na Europa, até pelos anos de futebol que tenho lá”

“Eu tinha várias opções na Europa, mas desde quando o Flamengo entrou na situação foi conversado de uma forma franca. Eu senti essa honestidade da parte do Flamengo também. Esse foi um dos motivos que, junto do meu desejo, me fez vestir esse manto, voltar ao Brasil e jogar nesse time que, antes de assinar, falei que era o clube que atrai qualquer jogador do mundo”.

"Ouvir que é um clube estabilizado. Isso foi bastante importante. Claro que comecei a acompanhar os jogos, inclusive o último. Normal. Sofremos mais de fora".

Melhor pegador de pênaltis do mundo?

Diego Alves Almeria Valencia Liga BBVA 05232015
Diego teve 45,6%de sucesso nos pênaltis na Espanha - defendeu 21 de 46 (Foto: Getty Images)

“Eu sei que é um assunto que se debate bastante, por eu defender bastante pênalti, mas eu levo com naturalidade. Tem de perguntar para os cobradores. Na Espanha sempre me perguntaram isso, mas eu não gosto de pênalti. Não gosto. Mas estou sempre preparado. Antes do pegador de pênalti, vem o Diego Alves goleiro, que tem de ser importante em muitas outras coisas”.

Flamengo em primeiro lugar, depois a Seleção

Diego Alves Lakeside Stadium Brazil
(Foto: Pedro Martins / MoWa Press)

"A vinda para o Flamengo foi pensando no Flamengo, pensando na minha vida profissional no Flamengo. Acredito que a seleção brasileira é um prêmio pelo momento que o jogador vive no seu clube. Em todos os clubes em que passei, tive a oportunidade de estar na Seleção. Vou trabalhar bastante para também ser convocado no Flamengo (...) Eu vim para o Flamengo pensando no Flamengo".

"O projeto do Flamengo é muito sério. é um projeto que já vem construindo há anos. Dá para ter uma noção. É um projeto que chamou bastante atenção. Eu acredito que já venho há anos. Esse projeto é um projeto bastante importante que eu quero ajudar a crescer".

Pronto para a estreia?

"Claro que estamos resolvendo o termo burocrático de documentação, os papéis que precisam ser trocados, mas eu vinha treinando nas minhas férias. Tive uns 10 ou 15 dias que parei para descansar, porque não somos máquinas, mas eu sempre vinha treinando. Claro que eu quero estar em campo. Mas preciso treinar, ver o treinador, conversar com todos"

Mesmo sabendo que estamos no meio da temporada, com jogos importantes... Pode ter certeza que vou treinar para estar disponível o mais rápido possível [Nota: segundo o dirigente Rodrigo Caetano, Diego deverá estrear contra o Corinthians, na 17ª rodada]".

A recepção do elenco

Diego Alves Geuvânio chegada Flamengo 17 07 2017
(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

"Conheço alguns jogadores de uns anos atrás, o Márcio Araújo, o Réver, o Diego. Enfrentava ele em Ribeirão Preto quando tínhamos 10 anos. Conheço o Muralha, o Thiago. Foi muito bem recebido desde o primeiro comentário, até a assinatura".

Em defesa de Márcio Araújo

Márcio Araújo Diego Alves Flamengo 17 07 2017
Parceria de longa data (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

"O Atlético-MG também existia esse amor e ódio, mas ele jogava sempre. Como pessoa, como jogador, é alguém que o grupo adora. É um trabalhador nato. As críticas existem, fazem parte do futebol, mas ele sabe o que vale, o jogador que ele é. Desde o Atlético-MG, sempre foi indispensável".

Competição com Alex Muralha

"O Alex Muralha eu conheço desde quando ele estava no Comercial. Na verdade, nunca treinei junto com ele, mas sempre estive perto dele. É um goleiro que vale muito. Já demonstrou, chegou à Seleção".

'Falso' Carioca?

"Eu praticamente nasci aqui só. Fiquei um mês mais ou menos e já logo mudamos. Fizemos um tour pelo Brasil, mas minha família é de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Na identidade está carioca, apesar do sotaque. Então não tem como fugir (risos)".

Flamengo é sinônimo de títulos

"Eu acho que o futebol brasileiro melhorou bastante. Isso demonstra a vontade de os jogadores voltarem para jogar no futebol brasileiro. Quando se fala no Flamengo, se fala em título. A história do clube te exige falar de título. Claro que é cedo, tem muito chão pela frente, mas é importante. É um objetivo do clube, dos jogadores. Acho que temos chances, sim, de ter uma grande alegria".

Passado como 'gordinho' e superação pessoal

"Até hoje me chamam de X (x-tudo) em Ribeirão Preto. Eu tive uma paralisia facial e fiz um tratamento à base de corticoide. Isso me fez ficar gordinho, para ser bem moderado. Eu nunca coloquei barreiras, mas sempre me incentivou. Isso foi importante na relação minha como goleiro e como experiência de vida. Isso não tem nada a ver".