Flamengo chegou a acordo com famílias de vítimas de incêndio?

Matheus Ribeiro
·1 minuto de leitura
Aerial view of the Brazilian Flamengo football club training center after a building that housed players aged 14 to 17 caught fire at dawn in Vargem Grande neighborhood, west of Rio de Janeiro, Brazil, on February 8, 2019. - Brazilian football was in mourning on Friday after 10 people died when a fire ripped through a youth training facility at the country's most popular club, Flamengo, authorities said. (Photo by Marie HOSPITAL / AFP)        (Photo credit should read MARIE HOSPITAL/AFP via Getty Images)
Área do CT do Flamengo que foi afetada por incêndio no dia 8 de fevereiro de 2019 (MARIE HOSPITAL/AFP via Getty Images)

Na noite deste domingo (7), o Flamengo e o Red Bull Bragantino prestaram homenagens aos dez jovens que foram vítimas do incêndio no Centro de Treinamento Ninho do Urubu, que completa dois anos nesta segunda (8).

Dois anos depois o acontecimento, o clube ainda não chegou a um acordo com todas as famílias que perderam seus entes queridos na tragédia. Mas como estão as negociações?

Até o momento, o Flamengo tem acordos feitos com oito das famílias, com duas delas tendo situações mais complicadas para resolver.

Já fecharam acordo com o Flamengo

  • Athila Paixão (14 anos)

  • Arthur Vinícius (14);

  • Bernardo Pisetta (14);

  • Gedson Santos (14);

  • Jorge Eduardo (15);

  • Pablo Henrique (14);

  • Samuel Thomas (15);

  • Vitor Isaias (15).

Quem ainda não fechou

  • O advogado da família de Christian Esmério (15), goleiro que atuou por seleções de base, afirma que desde 2019 teve apenas um contato com vice-presidente geral e jurídico do clube, Rodrigo Dunshee, e que diretoria deixou a desejar;

  • No caso de Rykelmo de Souza (16), o Flamengo chegou a um acordo apenas com o pai dele, enquanto a mãe Rosana é a única que entrou na Justiça contra o clube, pedindo cerca de R$ 7 milhões em indenizações e pensão.

Pensão vira caso na Justiça

Em dezembro de 2020, a 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro aceitou um pedido do Flamengo que reduzia a pensão paga para as famílias que ainda não fecharam o acordo com o clube. O valor que era de R$ 10 mil passou para cinco salários mínimos - equivalente a R$ 5,22 mil, com o número do salário mínimo de 2020.