Flamengo atua abaixo do nível em jogo que não deveria ter acontecido

Matheus Dantas
LANCE!


Arquibancadas vazias no Maracanã e preocupação quanto à pandemia do coronavírus no mundo: estes foram os principais aspectos que levaram o Flamengo apresentar um futebol abaixo do nível esperado neste sábado. O time de Jorge Jesus, mesmo nestas condições atípicas, venceu a Portuguesa, mantendo-se na liderança do Grupo A, A situação na tabela pouco importa, assim como a realização das próximas partidas. Como pediu o treinador, o Carioca deve ser paralisado até que volte a existir condições para jogar bola.

A ausência da Nação no Maracanã ajuda a explicar o nível de intensidade e de concentração do Flamengo - abaixo do que nos acostumamos a ver com Jorge Jesus na beira do gramado. Além dos jogadores, o próprio Jorge Jesus esteve menos participativo durante os 90 minutos, nas instruções passadas ao time.

- Nós sentimos falta do apoio, sentimos que vocês são muito importantes para nós. A ausência de vocês hoje nos mostra o quanto são importantes nas vitórias. Como disse, a equipe entrou desfalcada pela falta do calor (da torcida), mas também pela questão do coronavírus. Estamos todos preocupados pois não sabemos o que temos - afirmou o treinador após a vitória no Maracanã.



O cenário do jogo também passou pelo adversário, que desde o apito final abdicou da posse e se colocou atrás da linha da bola com todos os jogadores de linha. Os zagueiros do Flamengo pisaram no campo de ataque durante os 90 minutos, mas, diante de uma rival postado todo em frente à área, faltou repertório à equipe da Gávea para criar chances claras. No primeiro tempo, foram só duas.

O gol marcado por Maicon, com desvio em Rafinha, reforçou o cenário. A solução encontrada pelo Mister foi "povoar a área", colocando Vitinho para atuar próximo a Bruno Henrique, depois Lincoln. Michael entrou pela direita.

Foram muitas bolas levantadas na área. Não era o futebol vistoso que o time do Flamengo costuma apresentar, mas, de tanto insistir, o resultado veio.

- Parecia que seria a primeira derrota do Flamengo comigo, no Maracanã, mas é aquilo que confio muito nessa equipe e nesses jogadores. Um gol a gente vai fazer. Estava quase acabando e eu dizia para mim: "Posso não ganhar, mas perder não vou pois vamos fazer um gol." E pronto. As coisas aconteceram depois, fizemos mudanças táticas, colocamos mais jogadores dentro da área - finalizou o Mister, que soma 39 vitórias e nove empates em 52 jogos pelo Fla.

Diante deste cenário, poucas avaliações poderão ser levadas desta partida contra a Portuguesa. Opções táticas, atuações dos substitutos de Diego Alves, Filipe Luís, Gerson ou Gabriel Barbosa, apresentação de Diego... Tudo isso fica em segundo plano, uma vez que o Flamengo aguarda - com a preocupação destacada por Jorge Jesus - os resultados dos testes feitos no clube na sexta.

O fato é que a bola já não deveria ter rolado no Maracanã para Flamengo e Portuguesa, mesmo sem torcida, e não deve voltar a rolar até que, no Brasil, tenha-se a situação do coronavírus controlada. A manutenção do confronto colocou em risco não só os jogadores - como o governador Wilson Witzel deixou claro -, mas todos os profissionais envolvidos na operação da partida.










Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também