Fla emplaca sequência de gols de falta e aposta em arma na Libertadores

VINICIUS CASTRO

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Três jogos, três gols de falta. O Flamengo voltou a fazer a diferença nas bolas paradas depois de um longo período de seca. Até o gol de Guerrero no empate por 3 a 3 com o Fluminense - derrota nos pênaltis por 4 a 2 -, o último tento desta forma havia sido assinalado em 9 de abril de 2016. O talento dos cobradores e os treinamentos findaram a má fase. As cobranças se transformaram em arma e a expectativa é a de que sejam utilizadas na partida da próxima quarta-feira (15), contra a Universidad Católica, no Chile, pela Libertadores.

Último a marcar de falta pelo Flamengo, o meia Lucas Paquetá participou do treinamento ao lado do zagueiro Rafael Vaz e do meia Cafu. No geral, o rendimento foi positivo. As bolas paradas se transformam em esperança de vitória, não apenas nas faltas, mas também em cruzamentos e arremates laterais, aproveitando a estatura de alguns atletas - casos de Guerrero, Réver, Romulo e Willian Arão.

Escolhido para conversar com os jornalistas após a atividade, o lateral direito Pará mostrou confiança no fundamento e elogiou a mudança de paradigma.

"Fizemos um belíssimo trabalho para desempenhar um bom futebol lá no Chile. O Flamengo está preparado para qualquer dificuldade que venha a ter no jogo. Sabemos que a bola parada é fundamental. Decide jogos e campeonatos. A rapaziada está treinando muito bem e os frutos estão saindo. Vamos dar sequência aos treinamentos para que as vitórias possam acontecer", encerrou.