Por fim de jejuns, Cruzeiro e Atlético iniciam as finais do Mineiro

Tanto Atlético-MG quanto Cruzeiro vivem jejuns. O Galo precisa voltar a vencer a Raposa. Já o time celeste quer voltar a levantar a taça do Mineiro. Quando ambos entrarem no campo do Mineirão, na tarde deste domingo, às 16h (de Brasília), vão medir forças em busca de mais um troféu estadual.

O Galo vive um jejum longo de vitórias diante do Cruzeiro. São dois anos completos. A última vez que os alvinegros comemoraram um triunfo sobre os celestes foi em 2015, na semifinal do Campeonato Mineiro, com dois gols de Lucas Pratto. De lá pra cá, são sete jogos e nenhuma vitória.

A Raposa, por sua vez, não chegava a final do Campeonato Mineiro desde 2014 – época da última conquista, quando Marcelo Oliveira ainda era o treinador. Depois disso, a equipe saiu para o Galo, na semifinal em 2015 e para o América em 2016. O sonho é voltar a ter a taça do Mineiro, já que o primeiro objetivo já foi alcançado.

Para a partida, o Atlético-MG tem apenas um problema. O atacante Rafael Moura, suspenso contra a URT, não pode entrar em campo por suspensão automática. Por outro lado, o técnico Roger Machado recebeu o reforço de Fred. O setor jurídico atleticano trabalhou bem e conseguiu reduzir a pena do jogador de quatro para três jogos.

No lado celeste, o técnico Mano Menezes tem alguns problemas em seu time considerado titular. O meia Thiago Neves ainda não tem presença confirmada no jogo. Ele deixou o gramado do Mineirão, no último domingo, com dores do joelho direito. O camisa 30 passou por exames e não teve lesão confirmada, embora ainda sinta algumas dores. Ele foi para o gramado nos últimos treinamentos, mas ainda não está garantido.

Na zaga, Caicedo segue sendo titular. O zagueiro Manoel sofreu uma fratura no pé direito e está fora. Entre os volantes, Ariel Cabral também está entregue ao departamento médico. Hudson segue entre os titulares, ao lado de Henrique – apesar de ambos terem características de primeiro volante.

Galo passou pelo o URT para chegar na grande final

Jogo ferve nos bastidores

O clássico entre Atlético e Cruzeiro nunca começa quando o árbitro aciona seu material de trabalho. Nos últimos tempos, os rivais começam a duelar nos bastidores.

A história dessa vez ganhou novas proporções. O Atlético confirmou que mandará a decisão no estádio Independência, conforme direito garantido por ter tido a melhor campanha na primeira fase.

O problema, no entanto, é que o estádio não tem condição de receber os torcedores cruzeirenses, nem somente os 10%, segundo confirmação da Polícia Militar. A Raposa não concorda com a decisão e entende que a entidade é obrigada a dar condições ao torcedor azul de acompanhar um possível título da agremiação.

Para tentar reverter a decisão, membros da diretoria do Cruzeiro tentam conversar nos bastidores procurando, inclusive, o Ministério Público. A ideia celeste é justificar que em outros momentos a situação ocorreu. Nada, até agora, foi definido.

Além disso, o Cruzeiro reclama da redução da pena do atacante Fred. O jogador foi expulso no primeiro clássico, ainda na fase inicial do Campeonato Mineiro, e, julgado, suspenso por quatro partidas. O atleta não poderia disputar a primeira partida das finais, no entanto, o Atlético trabalhou juridicamente e conseguiu reduzir a pena para apenas três jogos, colocando viável a participação do camisa 9 no confronto.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO X ATLÉTICO

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)

Data: 30 de abril de 2017, domingo

Horário: 16h (de Brasília)

Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (Fifa)

Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa/SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa/SP).

CRUZEIRO – Rafael, Ezequiel, Léo, Caicedo, Diogo Barbosa, Henrique, Hudson, Thiago Neves (Alisson), Rafinha, Arrascaeta e Rafael Sóbis.

Técnico: Mano Menezes.

ATLÉTICO – Victor, Marcos Rocha, Leo Silva, Gabriel, Fábio Santos, Rafael Carioca, Elias, Robinho, Maicosuel, Marlone e Fred.

Técnico: Roger Machado.